Professores do Atheneu vão ao MP contra extinção do turno da noite

49
Profesores_no_MP

Profesores_no_MP

Um grupo de professores esteve na manhã desta quarta-feira no Ministério Público. Eles foram recebidos pelo promotor Luis Fausto Valois e solicitaram a intermediação do órgão para resolver uma grave questão. O promotor Luis Fausto solicitou que o SINTESE oficializasse a situação, mas já deixou marcada uma audiência para o dia 19 de março às 9h, na sede do Ministério Público.

Extinção
A Secretaria de Estado da Educação – SEED, informou aos professores na última segunda-feira, dia 01, que o turno noturno do Colégio Atheneu Sergipense foi extinto e que eles deveriam ir a escola buscar o ofício de devolução para a Diretoria de Educação de Aracaju – DEA.

Com a extinção do turno da noite na escola, cerca de 15 professores ficaram sem local de trabalho, pois como o ano letivo já começou encontrar lotação em alguma escola estadual é muito difícil a essa altura do campeonato. “Não houve uma discussão conosco, simplesmente nos informaram por telefone que estávamos sendo devolvidos para a DEA. Essa foi a postura da escola em relação aos meus 24 anos de trabalho no Atheneu, fui sumariamente devolvida”, desabafa a professora Josenaide Magalhães.

E agora?!
Situação crítica ficou também alguns professores em vias de solicitar aposentadoria. Como é o caso da professora Edina Barreto Ferreira, ela está há um mês para se aposentar e agora está sem saber qual direcionamento tomar. “Meus 30 anos de serviço no Atheneu estão sendo desrespeitados, afinal, ainda a essa altura do ano letivo vou conseguir uma escola para trabalhar”, reclamou.

Não há vagas?
O argumento da SEED é que não havia alunos para manter o turno funcionando. O Colégio Atheneu funciona pela manhã e tarde como Centro Experimental e à noite no Ensino Regular. Os professores informaram que tinham três turmas formadas, mas os alunos foram realocados para outras escolas.
Para os educadores a falta de alunos se deu, principalmente, por um aviso afixado na parte da frente da escola informando que não havia vagas, mas essa informação só era válida para os turnos matutino e vespertino. Quem chegou à escola em busca de matrícula à noite viu esse aviso e procurou outro colégio, deixando o Atheneu desfalcado de alunos.

Solução
Para o SINTESE é preciso que a SEED esgote todas as possibilidade e não buscar a “solução mais fácil” que é fechar o turno. “A chamada pública pode ser uma das soluções para essa problemática, várias escolas estiveram ameaçadas de ter turnos fechados, mas após a chamada dos alunos não foi mais necessário. O Atheneu Sergipense é uma escola tradicional, não pode simplesmente fechar um dos turnos”, disse o professor Francisco Andrade, da direção executiva do SINTESE.