SINTESE e WG Produções lançam o filme “Carregadoras de Sonhos”

93

A noite do dia 08 de março marcou professores e convidados que foram ao Teatro Tobias Barreto,

{joomplu:2581}
{joomplu:2587}
{joomplu:2613}
{joomplu:2624}
{joomplu:2630}
veja mais fotos aqui

não só por ser o Dia Internacional da Mulher, mas por também ser o dia escolhido pelo SINTESE para fazer o lançamento do filme “Carregadoras de Sonhos”.

A escolha do dia não foi à toa, hoje mais de 90% dos filiados do sindicato é do sexo feminino. Então porque não lançar neste dia um filme que trata da vida de quatro mulheres que são trabalhadoras da Educação.

O filme Carregadoras de Sonhos é um projeto que coloca o SINTESE na vanguarda do movimento sindical. “Nenhum sindicato no país trabalhou o cinema como o SINTESE se propôs a trabalhar neste filme”, disse o presidente do sindicato, Joel Almeida.

Convidados

Seguindo a sua tradição de ampliar o debate da Educação Pública brasileira o SINTESE também convidou para lançamento do filme professores e jornalistas de renome nacional. Os professores André Martins, da Universidade Federal de Juiz de Fora, as professoras da Universidade Federal Fluminense, Virgínia Fontes e Regina Leite Garcia, além de Ana Aragão da Unicamp.

Os jornalistas Alípio Freire, do jornal Brasil de Fato, José Arbex Jr, que também é professor da UPS e Gabriela Moncau, da revista Caros Amigos, Renato Rovai, da Revista Fórum. Vito Gianotti e Sheila Jacob do Núcleo Piratininga de Comunicação.

“A minha docência não será mais a mesma após ter visto este filme”, disse Ana Aragão. Para Alípio Freire o filme levanta várias discussões, pois em um país tão rico ainda temos escolas onde o mimeógrafo a álcool, o giz e o quadro negro são os únicos instrumentos de trabalho para os professores.

A professora Regina Leite Garcia, deu um depoimento emocionado logo após a projeção. Para ela a estória das professoras Marta, Edielma, Maraísa e Rose a fez voltar no tempo e se ver quando ainda era uma professora primária. Para André Martins ao realizar este filme o SINTESE entra na vanguarda do movimento sindical.

Não foi só o filme

Quem esperava que o filme fosse a única atração da noite teve uma surpresa agradável. Os convidados fora recebidos pelo Reisado do SINTESE, formado por professores que participam das oficinas de Dança Folclórica oferecida pelo sindicato.

No palco do Tobias Barreto, antes da projeção do filme, os convidados puderam se deleitar com as apresentações do Coral dos Aposentados e com um número de Dança de Salão, que também é oferecido como oficina para os filiados. “Com essas atividades o SINTESE mostra que o professor é muito mais que a sala de aula, que ele também precisa trabalhar o seu lado cultural, pois é com esse trabalho que a sociedade é contaminada culturalmente”, avaliou Alípio.