Professores de Aquidabã podem entrar em greve

42

O Ministério Público, professores de Aquidabã e o prefeito Marcos José Barreto estiveram reunidos na manhã de quinta-feira, 23, para decidir como será o pagamento do Piso Salarial da categoria. Mas a negociação ainda não chegou ao fim. O resultado da audiência está previsto para a sexta-feira, dia 24. Caso a negociação não funcione, o delegado sindical José Vanderley alerta que os professores estão prontos para entrar em greve por tempo indeterminado.

O Sintese e o Ministério Público propuseram nesta manhã que a administração municipal pague o piso de R$ 1.024,00 aos professores de Aquidabã e salde 111,69% da folha de pagamento da educação do município. Na semana passada os professores entraram em estado permanente de paralisação na quinta e sexta-feira, mas voltaram às salas de aula na segunda-feira, 20, porque visualizaram mais uma possibilidade de negociação.

Histórico da Mobilização
A negociação para o pagamento do Piso Nacional aos professores de Aquidabã se arrasta desde o mês de fevereiro. Em março a cidade participou da paralisação de um dia junto a mais 52 municípios que, da mesma maneira, aguardavam uma proposta da administração municipal.

A primeira assembleia apontando para a necessidade de resolver o assunto e com indicativo de greve aconteceu em agosto. Desde então, o Ministério Público têm acompanhado a negociação para facilitar o diálogo.

Foi firmado o acordo de que o prefeito apresentaria uma proposta no dia 9 de setembro, mas nesta data ele se reuniu com o sindicato para dizer que não tinha chegado a um ‘denominador comum’, e para pedir um novo prazo de oito dias. Os professores concederam o novo prazo, avisando que se ele não fosse cumprido, a categoria entraria em estado permanente de paralisação. Mas na data marcada, novamente, o prefeito não tinha nenhuma proposta, o que resultou na paralisação da semana passada.