Mostra Cinema e Direitos Humanos já reuniu mais de 500 pessoas

47

racaju (13 dez) – A Mostra Cinema e Direitos Humanos na América Latina reuniu neste final de semana 510 pessoas. A mostra estreou em Aracaju na sexta-feira, 10, e já disponibilizou nove sessões nesses primeiros dias – todas gratuitas. O evento segue até a próxima quinta, 16, no Cinemark Jardins e no Palácio-Museu Olímpio Campos.

“Acredito que esta mostra é uma oportunidade boa de termos acesso a produções que reúnem a mesma temática. Além disso, ainda conseguirmos assistir a filmes que dificilmente chegariam a Aracaju”, comenta a mestranda em Letras Areta Ludmila Pacheco, que fez questão de assistir a várias mostras. Ao todo, serão exibidos 41 filmes.

A professora uruguaia Maria Ângela conta que foi ao Palácio-Olímpio Campos assistir à produção uruguaia. “Como estou há três anos no Brasil, poder ver um filme uruguaio é matar a saudade do meu país”, relata. “Sinto que falta filmes do circuito alternativo em Aracaju. Antes de morar em Aracaju, estava em Brasília e lá havia uma oferta maior”, comenta a professora.

Museu

Um dos diferencias da Mostra em Aracaju é acontecer em um Palácio-Museu. “Decidimos trazer a mostra para o Palácio justamente para diversificar os locais de exibição. Achamos que ocupar dois espaços seria estratégico. Gostamos do Olímpio Campos por ser um espaço central e termos encontrado empenho da equipe do espaço em sediar as exibições”, afirmou Rafael Sampaio, coordenador geral da mostra.

Para o coordenador de Pesquisa e Ações Educativa do Palácio, José Cláudio Teixeira, destacou que a temática do evento está sincronizada com a história do Palácio. “Fico muito contente que a mostra esteja sendo exibida aqui porque o palácio que conta a história politica de Sergipe, sobretudo a republicana que tem tudo a vem com Direitos Humanos”.

A Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul é uma realização da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, com produção da Cinemateca Brasileira, patrocínio da Petrobras e apoio do SESC-SP, da TV Brasil e do Ministério das Relações Exteriores. A produção local é da Casa Curta-SE.

Fonte: Casa Custa-Se