Açude da Marcela em Itabaiana: uma questão ambiental e de saúde pública

40
robertosantos
Mais uma vez a sociedade sergipana é informada da mortandade de milhares de peixes no Açude da Marcela situado no município de Itabaiana. O Açude tem uma capacidade de armazenamento de 2.710.000m3 e foi projetado para fornecer água de irrigação para 156 hectares. A água do açude apresenta qualidade imprópria para irrigação em função dos despejos agrícola (agrotóxico) e esgotos domésticos e industriais descartados no reservatório.

A notícia de grande quantidade de peixes mortos não é nova, ano após anos o noticiário é o mesmo, deixando pescadores sem trabalho e a sociedade que consumem os peixes daquele reservatório numa situação difícil: como consumir alimento de um lugar que anualmente milhares de peixes morrem resultado da poluição existente? Segundo noticiário local, pelo menos quarenta homens tiravam o sustento da família praticando a pesca comercial no açude. Mas e as pessoas que consumem esses peixes como fica a saúde delas? E os órgãos ambientais como vêem essa situação?

Segundo explicação da imprensa, a morte dos peixes que já se encontrava em estado de decomposição tem relação com a chuva de verão que caíram no Estado nos últimos dias. A imprensa do município informando sobre o desastre reproduziu uma frase do pescador Leno: “Todo ano é assim, basta chover neste período, para provocar o desastre. Lamentavelmente os peixes são acometidos por um mau inexplicável, proporcionando a morte de toda a população”.

No último incidente de mortandade de peixes, como o atual, o açude da Marcela precisou de quatro meses para recuperar a fauna. No último dia primeiro de Fevereiro de 2011, agentes da ADEMA foram contactados para averiguar a situação. Enquanto isso os pescadores passam por dificuldades e a população fica sem respostas.

Entretanto, a situação do açude da Marcela em Itabaiana é resultado da inoperância dos órgãos ambientais que insistem em fechar os olhos para os reais problemas. Podemos aqui debater alguns elementos que entendo serem importantes para tentarmos esclarecer a situação degradante desse estratégico reservatório de água.

O uso excessivo de agrotóxicos lançados nos rios pela atividade agrícola existente próximo do açude pode ser um dos elementos em destaque. Todo veneno agrícola utilizado nas plantações agrícolas dos arredores da Marcela correm para essa área através dos rios ou do lençol freático. Vale registrar que a região do Açude é muito rica na produção de hortaliças (cheiro verde, alface, repolho, coentro, pimentão, cebolinha entro outros). Essas hortaliças abastecem o mercado itabaianense, bem como Aracaju e grande parte do Estado. Para produzir esses alimentos os produtores rurais utilizam as águas da Marcela, combinando com alta dosagem de agrotóxico. Essa combinação, não muito recomendável, gera uma boa aparência nos alimentos para os paladares urbanos.

Outro grave problema é o lançamento de esgotos domésticos nas águas do açude que vêm contribuindo para esses desastres ambientais. Grande parte dos esgotos domésticos produzidos na cidade de Itabaiana são conduzidos para o Açude da Marcela sem qualquer tratamento. As águas da Marcela têm um cheiro muito forte, resultado da inoperância dos gestores públicos (Prefeitura Municipal, Governo do Estado, ADEMA e IBAMA). No caso da Marcela podemos afirmar que temos um crime ambiental legalizado sendo cometido por quem deveria combater.

Os esgotos do matadouro de Itabaiana também correm para o açude. O mal cheiro provocado pelos dejetos do matadouro para quem passa pela rodovia estadual que liga Itabaiana ao povoado Candeias em Moita Bonita mostra bem a gravidade para as águas da Marcela recebendo aqueles dejetos.

Ainda podemos encontrar problemas nessas águas em função do lançamento de metais pesados jogados pelas indústrias que ali se instalaram. Segundo Genival Nunes Diretor presidente da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), “Estudos realizados identificaram altos índices de metais pesados (zinco) e de coliformes fecais.” Um dos graves problemas no lançamento de metais pesados são os dejetos lançados por curtumes. Em vez de produzir adubo para agricultura os dejetos são lançados inatura nas águas da Marcela. Mais um grave problema que mostra a situação difícil que esse importante reservatório de água sofre. Os metais pesados tem alto poder de contaminação da água e conseqüentemente dos peixes e dos alimentos que recebem as águas do açude.

A realidade do açude mostra que é preciso rever a política ambiental do Estado. É inaceitável que anos após anos possamos vivenciar os crimes ambientais sem qualquer ingerência dos gestores públicos para rever essa situação. Culpar a natureza é um instrumento para não querer resolver, de fato, o problema.