Quilombolas conquistam terras em Brejão dos Negros

49
romaria 128

Em uma área de 469 hectares, localizado no povoado Brejão dos Negros, romaria 128no município de Brejo Grande-SE encontra-se a mais nova conquista territorial.  Todos esses dados correspondem ao imóvel rural que recentemente foi doado para a comunidade quilombola e que consolida o processo de reintegração e acesso às terras para esta comunidade.

A conquista do imóvel rural denominado de Fazenda das Batateiras, foi entregue aos quilombolas, na ultima terça-feira, 1, através de um documento oficial de emissão de posse entregue pelo superintendente regional do Instituto de Colonização e Reforma Agrária-  Incra/SE, Jorge Tadeu Jatobá Correia, na praça pública do povoado.

De acordo com Leonardo Góes, superintendente substituto do Incra, a propriedade está localizada bem no centro da área delimitada para a criação do território quilombola. Por isso, a sua posse representa um marco no processo de retomada das terras pela comunidade.

Após vistoria realizada em 2006, para fins de reforma agrária, foi constatada que a Fazenda Batateiras, classificada como improdutiva, integra um amplo estudo antropológico que identificou o local como parte da área a ser demarcada para a criação do território quilombola de Brejão dos Negros. Desta forma, a fazenda que antes era objeto de disputa judicial e ocupação irregular será revertida para o desenvolvimento de ações produtivas pelas famílias quilombolas.

Os quilombolas

A comunidade quilombola de Brejão dos Negros foi reconhecida pela Fundação Cultural Palmares em 2005 e hoje é formada por 410 famílias, que vivem em uma área abrangida por diversos povoados. Localizado na região da foz do rio São Francisco, o conjunto de terras que deverá compor o futuro território quilombola é considerado um dos principais focos de tensão agrária do estado de Sergipe.

A tensão na região é ocasionada devido a ocupação por fazendeiros e grileiros, nas áreas que estão sendo identificadas pelo estudo antropológico, para a constituição do território e que através desta posse serão retomadas pelo Incra, para assegurar a preservação cultural e garantir o desenvolvimento sócio-econômico das famílias quilombolas.

De acordo com os integrantes da comunidade, A conquista de área da fazenda Batateiras, renova as esperanças das famílias para a construção de um futuro melhor e representa mais do que o acesso a terra. “A terra é a verdadeira riqueza, é ela que gera renda e dignidade. Finalmente, teremos como produzir e buscar uma vida melhor”, afirmou à pescadora Iraneide Machado dos Santos, de 34 anos, moradora do povoado Resina, que compõe a comunidade quilombola.

Além do imóvel rural conquistado, o Incra já obteve a posse de parte das terras do imóvel Fazenda Capivara, no povoado Resina. A área, pertencente à União, também será destinada à criação do território quilombola.