Interiorização: professores da rede estadual denunciam atrasos

42
assembleia (3)

Em plenária realizada pelo SINTESE para eleição dos delegados sindicais da base estadual em Nossa Senhora de Lourdes na última segunda feira dia 25 de Abril, o sindicato recebeu a denúncia de que alguns professores da rede estadual que trabalham no município estão com a gratificação por interiorização atrasada.

Após essa assembléia o sindicato também começou a receber denúncias de que em outros municípios também está ocorrendo atrasos.

Ao contrário de afirmações feitas nos últimos dias em emissoras de rádio. A responsabilidade pelo atraso no pagamento da gratificação por interiorização não é do SINTESE. A comissão que avalia as solicitações é formada também por membros das secretarias de Estado da Educação e Planejamento, Orçamento e Gestão. “A reclamação no atraso do pagamento é justíssima e a Secretaria de Educação precisa garantir o pagamento da interiorização sem interrupção do pagamento, uma vez que os professores tem direito de receber a gratificação no período de férias”, aponta o diretor do departamento de Base Estadual, Roberto Silva dos Santos.

O atraso se deve na verdade há um equívoco por parte da Secretaria de Educação na interpretação da lei que regulamentou a Gratificação por Interiorização. Em nenhum momento a lei diz que o pagamento da gratificação deve ser suspenso quando o professor entra em período de férias, mas é essa a atitude que a secretaria vem tomando, isso sem contar o tempo gasto para que os processos cheguem à comissão. Esse erro já tinha sido detectado pelo sindicato e a solicitação feita à secretaria, mas as providências não foram tomadas.

Em reunião ocorrida na última quarta-feira (27) a Secretaria de Educação se comprometeu a fazer o pagamento das gratificações atrasadas no mês de maio. No decorrer do ano a comissão se reunirá para avaliar um novo procedimento para que os educadores não sejam prejudicados com nova suspensão de pagamento no próximo ano.

Luta dos professores

A gratificação por Interiorização é concedida a todos os professores que trabalham no município diferente de sua residência. O valor pago diferencia de acordo com a quilometragem percorrida entre a residência e local de trabalho. Entretanto, os professores que moram e trabalham nos municípios que integram pelo Sistema Integrado de Transporte de Aracaju não têm direito, uma vez que o Estado garante vale transporte para que possam chegar à escola.

A gratificação é uma luta do magistério da rede estadual que começou em 1994, mas que somente em 2008 através da mobilização e organização dos professores que ela passou a ser paga. “A gratificação por interiorização é garantia de que o professor terá o transporte para deslocar-se e manter seu salário integral para sustento pessoal e de seus familiares como acontece com os docentes que trabalham na cidade onde residem”, disse Lúcia Barroso, vice-presidenta do SINTESE.