REVOLTA

68

Autora: “Maria Flor”
Aquidabã, 11 de abril de 2012.

Dói demais ver

Os servidos públicos

Sofrendo sem merecer.

Dignidade da pessoa humana

É direito fundamental

Mas aqui nessa cidade

Esse direito vai mal.

São direitos sociais

Alimentação, saúde e educação

Direitos que são negados

A nossa população!

Acorde, povo desse lugar!

Até quando vai aceitar

Os descasos desses gestores

Que se acham dono do poder?

Que não sabem o que é ver

Seu filho chorando,

Pedindo para comer

E você de mãos limpas

Sem ter o que oferecer!

Quero escolas adequadas,

Alimentação de qualidade

Professores motivados

Ensinando com satisfação

Para assim formar

Um valoroso cidadão!

Quero uma cidade limpa,

Toda pavimentada,

Não ruas sujas

E todas esburacadas!

Quero salário sem atraso

Não importa a categoria

Com data para receber

Pois trabalho todo dia.

Quero ter dignidade

Honrar com meus compromissos,

Com aquilo que eu venha comprar

Quero dormir sossegada

Com as minhas contas pagas

Pois tenho um nome a zelar!

O que quero não é utopia!

Cadê a cidadania?

Não pertenço ao magistrado

Se assim fosse formado

Já estaria enquadrado

Por ferir a legislação

Ao negar para essa gente

Os direitos da Constituição!

Do magistrado eu  não sou,

Nem precisa ser doutor,

E se isso não te basta,

Digo sem nenhum temor

CALOTEIRO  eu não sou

Esse título é do senhor!

MARIA FLOR, 11 de abril de 2012