Estudantes apoiam os professores e querem retorno das aulas

223
Os alunos estiveram reunidos com a secretaria adjunta

 

Alunos pedem reorno das aulas (Foto: Portal Infonet)

Alunos de escolas públicas do Estado estiveram reunidos nesta manhã,1º, com a secretária adjunta, Hortência Maria, em um ato em apoio aos professores. Cerca de 50 alunos se aglomeraram nas dependências da Secretaria Estadual de Educação (SEED), onde aguardavam o resultado de uma reunião entre seus representantes e a SEED. O ato teve como objetivo exigir que as autoridades atenda às reivindicações dos professores para que, assim, as aulas sejam retomadas.

Além dos professores, os estudantes também fizeram manifestações ao longo dos 45 dias de greve. Os jovens pediram a volta das aulas e querem que o governo pague a todos os docentes o reajuste salarial de 22,22%, previsto em acordo já assinado.

De acordo com o vice-presidente da federação estudantil de Aracaju, Vagner dos Santos, a mobilização acontece por causa do impasse entre o governo e os professores da rede estadual de ensino. “A gente tenta fazer com que a greve dos professores tenha um ponto final. O governo não quer pagar o que é justo aos professores. Sabemos dessa emenda do MEC, que destina mais de R$ 2 milhões para investimentos à educação. Queremos o retorno das aulas o mais rápido possível”, pede.

Vagner dos Santos lidera o movimento (Foto: Portal Infonet)

Segundo Vagner, durante a reunião vários assuntos pertinentes à situação foram debatidos. Contudo, segundo ele, nada foi definitivo. “A secretária nos ouviu e nós a ouvimos, mas saímos de lá com a sensação de que nada será resolvido. Por conta disso estamos nos organizando, para realizar mais um ato”, garante.

 

Seed

A secretaria divulgou nota, onde faz um apelo para que os professores retomem as aulas.  De acordo com a nota, o secretário de Estado da Educação, Belivaldo Chagas, está preocupado com o fato dos mais de 200 mil alunos estarem fora da sala de aula. Ele salienta ainda, que a paralisação dos professores já teria ultrapassado todos os limites do bom senso, e a greve estaria prejudicando a educação sergipana.