Diário de Beirute (2): Líbano, os mal-entendidos

82

Reproduzido do blog do autor hospedado no site Carta Maior

Civilização europeia (francesa) incrustrada no coração do mundo árabe – o Líbano só poderia se prestar para clichês e mal- entendidos.

Antes disso ainda, não é preciso visto para ir ao Libano, ao contrário do que diz a Air France – que tem o poder de impedir que alguém embarque. No Consulado, simpaticamente explicam que não é preciso – o que é confirmado no aeroporto de Beirute. O único impedimento é ter selo de entrada em Israel. (Eu tinha, por ter ido à Palestina, por onde só se entra por terra pela Jordania ou pelo aeroporto Ben Gurion, de Tel-Aviv, dizendo que se vai fazer turismo em Jerusalem e desaparecendo na Palestina, mas estava em outro passaporte.)

Na chegada já fica claro que cada vez menos pessoas falam francês, o inglês tornou-se o segundo idioma. Varias pessoas me disseram que já não aprenderam o francês na escola, só o inglês.

Dois elementos ajudam os mal-entendidos: a beleza natural contrastando com o violento passado recente e, por outro lado, a profundidade da sua história milenar justaposta à proximidade cultural com a Europa.

A diversidade religiosa, política e social do povo libanês faz com que as questões das identidades sejam centrais para a compreensão do país. Dilacerados entre o apego ao país, a critica a ele, a exaltação das suas comunidades originárias e suas raízes religiosas, os libaneses aparecem como incógnitas para a compreensão externa.

Os clichês são de todo tipo:

“O Líbano é uma criação da potência colonial francesa.”

“O Líbano é a Suíça do Oriente Médio.”

“O Líbano é um país francófilo.”

“A cultura libanesa é antes de tudo sua cozinha.”

“Os refugiados palestinos são os responsáveis pela guerra civil.”

“A guerra civil era uma guerra de religiões.”

“Israel ocupou o sul do Libano para defender a Galileia.”

“A ocupação síria do Líbano tinha como objetivo sua anexação.”

“Por trás do Hezbollah, está o Irã.”

“Rafic Hariri reconstruiu o Líbano depois da guerra civil.”

“O retorno da violência depois de 2005 é devido à Síria.”

“A campanha militar israelense do verão de 2006 visava libertar seus dois soldados capturados pelo Hizbollah.”

a Síria, ajudando a acrescentar sobredeterminações externas às fraturas internas. Estas tem na dualidade maronitas-islamitas seu eixo, mas mesmo dentro de cada uma delas, surgem diferenciações. Além das comunidades internas, com suas determinações étnicas e religiosas.

O Líbano tem tudo para ser quase indecifrável. Daí a utilidade inicial do livro sobre os clichês, de que eu tirei as referências acima. Tentarei dar alguns elementos nesta primeira passagem pelo país, que talvez ajudem a decifrar o Líbano.