Professores de Itaporanga lutam por direitos garantidos por lei

59

Nos dias 01 e 02 os professores da rede municipal de Itaporanga paralisaram as atividades para chamar a atenção do prefeito para que cumpra o acordado com a categoria e pague os direitos garantidos pelo Plano de Carreira e Estatuto do Magistério.

A lei nos garante que aos professores gratificações por progressão vertical (titulação acadêmica) e horizontal (tempo de serviço) como incentivos a docência, mas desde que iniciou o terceiro mandato no comando da prefeitura do município, César Mandarino tem desconsiderado o que diz a legislação educacional e não tem pago os valores a que a categoria tem direito. Fazendo com que o processo de valorização do magistério não se efetive em Itaporanga.

Houve uma negociação de que 50% da dívida da prefeitura com os professores ia ser paga em agosto e a outra metade em setembro, mas o prefeito não cumpriu com a palavra e pagou apenas para alguns professores, além de não negociar o retroativo dos 4 anos de implantação do Piso.

“Está na lei, os professores têm direito a receber um pouco mais se estudarem mais, buscarem mais conhecimento para que os filhos e filhas dos trabalhadores de Itaporanga tenham aulas melhores e possam se preparar melhor para o futuro, mas o direito dos professores e dos alunos do nosso município estão sendo negados pela falta de vontade política do prefeito”, disse Uilson Menezes Hora, professor da rede municipal de Itaporanga e membro da direção executiva do SINTESE.