Professores de Lagarto vão recorrer a Justiça para receberam salários de dezembro

55

Os mil professores que fazem parte da rede municipal de Lagarto terão que recorrer à via judicial para receberem os salários do mês de dezembro e o décimo terceiro.

O motivo é que a administração anterior (sob o comando de Valmir Monteiro) não confeccionou o empenho que autorizaria a atual administração a fazer o pagamento. Tal informação só foi repassada aos professores no sábado, após insistentes contatos de um dos coordenadores da sub-sede Centro-Sul do SINTESE, Nazon Barboza com membros da administração municipal.

Afinal tinha-se ficado acordado, em audiência ocorrida no dia 07 de janeiro, que o prefeito Lila Fraga faria o pagamento dos atrasados. O que deixou os professores mais indignados com o descumprimento do acordo foi que Valdemo Monteiro (que tem sido assessor dos chefes do Executivo desde a gestão de Jerônimo Reis), e estava na audiência, sabia da falta do documento de empenho, mas não se pronunciou sobre o fato.

Em assembleia ocorrida, na última segunda-feira, dia 04, os professores querem um posicionamento do prefeito Lila Fraga sobre o papel de Jerônimo Reis na administração, pois o ex-prefeito e ex-deputado cassado usou sua influência em um programa de rádio (cujo dono também é aliado de Jerônimo e do atual prefeito) para fazer acusações levianas sobre a atuação sindical do coordenador da sub-sede Centro-Sul, Nazon Barbosa, além de elogiar a atuação do prefeito em descumprir o acordado.

Os professores devem ir ao prédio da sub-sede Centro-Sul e assinar até o final da tarde desta terça-feira, 05, uma procuração para que o sindicato possa entrar com uma ação de cobrança. Quem ainda não for filiado, preencherá a ficha de filiação e estará apto a ingressar na ação coletiva. A direção do sindicato espera que a prefeitura tenha disposição para negociar esse passivo trabalhista judicialmente.