Curso de formação debate história das lutas do movimento sindical

206
O curso de formação continua nos dias 22 e 23 de novembro. Nesta etapa participam os professores das regiões Sul e Centro Sul

No último final de semana, o SINTESE promoveu, na cidade de Pirambu, curso de formação paraO curso de formação continua nos dias 22 e 23 de novembro. Nesta etapa participam os professores das regiões Sul e Centro Sul lideranças das comissões sindicais municipais.  Professores de quatro regiões de Sergipe (Baixo São Francisco I, Baixo São Francisco II, Metropolitana Ampliada e Vale do Cotinguiba) estudaram e debateram a história, os dilemas e os desafios dos sindicatos e das organizações de base.

As discussões foram embasadas em nove textos de Emílio Gennari, que abordavam as histórias e as lutas do movimento sindical, desde seu surgimento na Europa até os dias atuais. O objetivo do curso foi munir os professores com informações que os permitam fazer uma analise mais profunda da atual conjuntura em que está inserido o movimento sindical. Para que a partir desta analise as lideranças do SINTESE nos municípios sergipanos consigam compreender os avanços, os retrocessos e o que ainda precisa ser conquistado pela classe trabalhadora.

A professora da cidade de Neópolis, Cristiane Maria dos Santos, pôde notar, a partir do debate, queA professora Cristiane dos Santos diz que ainda há muito a ser conquistado pelos trabalhadores ainda há muito a ser conquistado. “Este estudo que estamos fazendo nos dá uma visão mais ampla sobre o que é o sindicato. As discussões me fizeram perceber que ainda temos muito avançar, pautas que eram discutidas no inicio do século XX até hoje, pelo menos dentro da nossa realidade, ainda não foram superadas. É como se tivéssemos parado no tempo. Enquanto educadora, um curso desse nível é muito bom porque fortalece a nossa luta e ainda contribui para que possamos abrir outros horizontes para nossos educandos”, visualiza a professora.

Ao todo participaram 45 professores do curso de formação, boa parte deles lideranças novas dentro das comissões sindicais, como apontou o delegado sindical da cidade de Laranjeiras, professor José Nilton. “Pude perceber que tivemos no curso várias comissões que são novas, pessoa que entraram há pouco tempo na militância sindical. Para todos nós este tipo de curso é muito importante, mas para aqueles que estão entrando agora o curso é essencial porque traz uma noção ampla do que é a luta sindical. A partir do contato com este tipo de debate, o militante que está entrando agora passa a ter uma capacidade maior de entender as lutas e tocá-las com coerência, da melhor forma possível”, coloca Nilton.

Para o professor de Amparo de São Francisco, Paulo Sérgio Silva, as conquistas do SINTESE, seO Professor Paulo Sergio atribui à formação o sucesso nas lutas e conquistas do SINTESE devem ao investimento que o sindicato faz em cursos de formação para seus militantes. “O sindicato continua avançando porque acredita que só com a formação continuada dos professores é que conseguimos manter a resistência diante do modelo de educação que temos em nosso país. Hoje, na minha avaliação, o SINTESE é um sindicato modelo porque faz luta não pensando apenas em melhoria salarial, mas sim em uma educação de qualidade. Para que haja educação de qualidade este momento de debate com a categoria é fundamental para que possamos resiste ao modelo imposto pelo capitalismo a educação do Brasil”, avalia o professor.

A delegada sindical do município de Capela, professora Denilsa de Oliveira, também destacou a formação como responsável pelas conquistas do magistério sergipano.  “A formação sindical é muito importante, pois nestes espaços adquirimos novos conhecimentos, novas formas de luta. Desde que entrei no SINTESE, todo curso de formação que participo sinto que me dá um novo folego para continuar na luta. Todos aqui sabem que esta luta não é fácil, mas são os momentos de formação que nos fortalecem, que nos dão conhecimento para que possamos debater como a população e com os gestores sobre as nossas reivindicações. É esse conhecimento que nos permite ter um diálogo com argumentos sólidos e embasados com os gestores, que nos permite enfrentar e exigir nossos direitos.  Sem os espaços de formação, que nos trazem conhecimento, que nos possibilitam estudar, não teríamos conquistas”, acredita.

A deputada Estadual, professora Ana Lúcia participou da tarde do segundo dia do curso deA professora Denilsa de Oliveira acredita que os cursos de formação fortalecem a luta formação e destacou a importância e o papel político das comissões sindicais. “São vocês [lideranças das comissões sindicais] que representam a categoria nos processos de conflito e mediação. Por isso, é importante que vocês compreendam a conjuntura do estado e da nação que vivemos. Um dirigente deve conhecer a legislação de ensino, deve conhecer os nosso direitos, os direitos de nossos alunos. Deve compreender o que é o Estado e qual o papel da educação pública. A missão da comissão sindical é defender a categoria e, para isso, vocês devem estar munidos de muita coragem, mas sobretudo de muita informação”, afirma Ana Lúcia.

Curso

O curso de formação terá continuidade nos dias 22 e 23 de novembro. Desta veze irão participara lideranças das comissões sindicais municipais das regiões Sul e Centro Sul.  O encontro será em Porto do Mato.A deputada Estadual, professora Ana Lúcia, destacou o papel político das lideranças das comissões sindicais municipais