Professores debatem história de luta do movimento sindical

206
Esta foi a primeira de outras quatro etapas do curso de formação para lideranças das comissões sindicais municipais, que acontecerão ao longo dos próximos três anos.

Entre os dias 3 e 4 de janeiro o SINTESE realizou no povoado Porto do Mato, em Estância, Esta foi a primeira de outras quatro etapas do curso de formação para lideranças das comissões sindicais municipais, que acontecerão ao longo dos próximos três anos.mais uma etapa do curso de formação voltado para lideranças das comissões sindicais municipais. Desta vez professores das regiões Sul, Centro-Sul, Baixo São Francisco e Alto Sertão tiveram a oportunidade de debater a história do movimento sindical, seus dilemas e desafios.

Os debates foram guiados por texto de Emílio Gennari, que abordavam as histórias e as lutas do movimento sindical, desde seu surgimento na Europa até os dias atuais. A intensão do curso é promover uma reflexão ampla e contextualizada sobre a atual conjuntura em que está inserido o movimento sindical. A ideia é que a partir desta analise as lideranças do SINTESE nos municípios sergipanos consigam compreender os avanços, os retrocessos e o que ainda precisa ser conquistado pela classe trabalhadora.

Para dar mais dinamismo ao curso, foi utilizada a metodologia paulofreireana dos círculos deA metodologia usada no curso foi o círculo de cultura de Paulo Freire, na qual a aprendizagem é feita pela troca. cultura, na qual a aprendizagem é feita pela troca. Os participantes foram divididos em dez grupos. Dentro destes grupos os textos foram lidos, discutidos e maturados. Após a leitura os grupos voltavam para a plenária, compartilhavam as ideias do texto com os demais e faziam o debate. Mais de 100 professores participaram desta etapa do curso de formação.

Luta

Para a vice-coordenadora da sub-sede Sul, professora Fabiana Lisboa, o curso de formação contribui para manter viva a luta.  “Quem está nas comissões tem um papel muito importante de formar a categoria em seus municípios e esse curso, como todos os outros, nos ajuda a manter a luta viva. O texto que nós estamos trabalhando é excelente porque traz a luta da classe trabalhadora, todas as suas intervenções, suas influências e isso vai nos ajudar a compreender as lutas atuais a partir de toda luta histórica que tem sido travada pelos sindicatos, associações e confederações de trabalhadores”, argumenta.

A professora Juliana Bomfim, membro da comissão sindical de Tobias Barreto, ver oA vice-coordenadora da sub-sede Sul, professora Fabiana Lisboa curso como um importante espaço para compartilhar experiência e fortalecer a luta. “Saio do curso como o sentimento de que não dá mais para ficar de braços cruzados. Quero reunir a categoria, reunir meus colegas para convencê-los que a luta tem sempre que continuar”, acredita Juliana.

Para o membro da comissão sindical de Nossa Senhora da Glória, professor Hugo Santana de Souza, o curso é de suma importância para a formação da consciência de luta de classe. “Até porque se os trabalhadores não estiverem unidos e sempre mantendo a formação continuada  eles vão perder sua organização. É importante absorvemos este conhecimento e levar para a categoria em nossa região, devemos ser multiplicadores deste conhecimento”, afirma.

Curso de formação

Esta foi a primeira das cinco etapas do curso de formação para lideranças das comissõesMembro da Comissão Sindical de Tobias Barreto, a professora Juliana Bomfim saiu do curso esperançosa e disposta a continuar sempre na luta sindicais municipais. O curso se estenderá pelos próximos três anos  e o SINTESE pretende continuar o ministrando de forma descentralizada para garantir a maior participação dos membros das comissões sindicais. Esse processo longo de formação também é o princípio para a gestão da Escola de Formação do SINTESE onde os professores poderão estudar, refletir e debater novas formas de luta.