CUT/SE promove Seminário Preparatório para Manifestações do 1º de Maio

49

Desafios da conjuntura atual estimularam as lideranças sindicais, engajadas na Central Única dos Trabalhadores (CUT/SE), a promoverem o Seminário Preparatório para as Manifestações do Dia 1º de Maio, nesta sexta-feira, dia 27/03, a partir das 8h30, no auditório da CUT/SE. “As transformações no mundo do Trabalho” é o tema da palestra agendada com o professor da Universidade Federal de Sergipe, o Doutor Péricles Moraes, que integra a atividade.

Vice-presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT/SE), Roberto Silva avalia com preocupação o cenário político atual: uma conjuntura de fortalecimento da direita que tem conquistado avanços contra os interesses da maioria da população brasileira. Nesse contexto, destaca a agenda de luta aprovada pela CUT/SE com ato púbico no dia 1º de abril contra qualquer movimento de retorno da Ditadura. “A Comissão da Verdade, a identificação de quem foram os torturadores e o esclarecimento do que foi a Ditadura se torna ainda mais necessário no momento em que vivemos. Só uma população muito desinformada pode apoiar o retorno de um regime ditatorial, assassino que torturou e violentou jovens, artistas, jornalistas, dizimando uma vanguarda cultural esclarecida que havia no Brasil de 1964”.

DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA – Após 50 anos da Ditadura, a sombra do Regime Militar sob o sistema de mídia do Brasil ainda provoca um estrago de desinformação e manipulação que prejudica o movimento social e sindical. Portanto, o movimento sindical não pode abrir mão desta pauta.

Interesses de grupos políticos definem o que a população deve saber, pois 70% dos veículos de comunicação ainda continuam nas mãos de famílias de políticos, empresários e oligarquias que sempre agiram em benefício próprio e contra os direitos dos trabalhadores, para que o Brasil continue sendo este país excludente, com forte herança escravocrata e de frágil democracia.

A desinformação também é consolidada pela Rede Globo de Televisão, que apoiou o Golpe Militar, e se mantém fortalecida, sem pagar impostos, consolidada na posição da quarta maior TV do mundo. “É por isso que a pauta da democratização é importante para todas as lutas do movimento social e sindical. Estas pessoas que sempre mandaram no Brasil são as donas dos meios de comunicação e nunca vão aceitar nenhuma mudança social que altere qualquer injustiça que sustenta sua riqueza. A desinformação é uma arma importante para se manterem no poder, deixando seus filhos, netos…”.

CONTRA A EXPLORAÇÃO DO TRABALHADOR TERCEIRIZADO – No próximo dia 7 de abril, o Congresso Nacional deve votar o PL 4330, que autoriza a ampliação da exploração do trabalhador terceirizado e o fim do emprego público. Após muita luta do movimento social, ele foi arquivado antes das eleições. Mas no começo deste ano, o PL 4330 foi desengavetado pelo deputado federal Laércio Oliveira, proprietário de empresas de prestação de serviço terceirizado. A fragilidade do vínculo do trabalhador terceirizado, que recebe remuneração inferior e tem jornada de trabalho maior são os principais motivos para que o movimento sindical seja contrário ao Projeto que também têm destaque na pauta de luta do 1º de maio.

O professor Roberto Silva reforça o convite para o Seminário, alertando que a educação e o esclarecimento do dirigente sindical é o ponto de partida para qualquer conquista. “O Seminário realizado nesta sexta-feira, 27/03, no auditório da CUT/SE, em consonância com a política de formação sindical da CUT é uma oportunidade das lideranças sindicais se municiarem de informação, diante do cenário preocupante que exige o posicionamento do trabalhador, um posicionamento de classe”.