NOTA PÚBLICA CONTRA AUMENTO DE MAIS VIOLÊNCIA NO BRASIL

56

Nota Pública contra aumento de mais violência no Brasil. Através da Redução da Maioridade Penal

No dia Nacional de Mobilização Contra a Redução da Maioridade Penal, 10 de abril, o Movimento Nacional de Direitos Humanos de Sergipe, preocupado com a iminente conjuntura de possibilidade de multiplicarmos ainda mais a violência no país a partir da redução da maioridade penal, vem a público chamar a atenção dos/as parlamentares, meios de comunicação e da sociedade em geral para o fato de que:

1 – Reduzir a idade penal no Brasil, aumenta de 30% (taxa de reincidência ao crime no sistema juvenil) para 70% (taxa de reincidência ao crime no sistema prisional), as chances de multiplicarmos ainda mais a tão preocupante violência, primeiro por este motivo, mas há muitos outros;

2 – Atualmente não se sabe o que fazer com a superlotação nos presídios. Reduzindo a maioridade penal para 16 anos, ao invés de construir creches públicas e investir em escolas e cultura nos bairros para que a infância e a juventude, não fiquem a mercê dos grandes traficantes, os Estados terão que investir no reconhecido falido sistema prisional, a começar pela construção de mais falidas prisões;

3 – Colocar jovens de 16 anos junto com adultos nestes presídios é como investir numa educação voltada para o crime, considerando a realidade precária do Brasil nesse assunto;

4 – No Brasil, ao contrário do que uma grande parcela da mídia mostra, o adolescente é responsabilizado e punido a partir dos 12 anos de idade em sistema juvenil ainda muito aquém do que poderia ser em termo de ressocialização, mas que, contudo, tem conseguido evitar a reincidência deste jovem ao crime em 70% segundo dados oficiais;

5 – A Alemanha e Espanha após constatado o aumento da violência depois de reduzido a maioridade penal, recentemente voltou atrás, aumentando a idade penal para 18 anos, com responsabilização  do jovem na Alemanha, a partir dos 14 anos;

6 – No Brasil, não são os filhos da classe econômica favorecida que estão nas unidades juvenis. A redução da maioridade penal, só atinge, os filhos de empregadas domésticas, de desempregados/as, pedreiros/as, etc, pessoas de baixa classe econômica. São jovens, pobres e negros que precisam de investimento desde a infância em políticas públicas efetivas de educação e cultura;

7 – A redução da maioridade penal abre brecha para que seja regularizada a exploração sexual de crianças e adolescentes e do trabalho infantil. E ainda para que seja mudada a idade obrigatória de matrícula na escola (ao invés de até 18 anos para 16 anos); também poderá ser mudada a idade de votação obrigatória, pois hoje é opcional aos jovens de 16 anos (só votam aqueles que entendem ter maturidade política suficiente para votar, pois nem todos os jovens de 16 anos votam); da mesma forma, abre-se a brecha para que também todos os jovens de 16 anos possam candidatar-se;

Enfim, pelos motivos acima expostos, respaldados por pesquisas oficiais divulgadas por entidades nacionais e internacionais sérias e de notório saber, como UNICEF, TREND CRIMES, ILLANUD, MAPA DA VIOLÊNCIA, CONANDA, outros é que nos posicionamos racionalmente CONTRA A AMPLIAÇÃO DE MAIS VIOLÊNCIA NO BRASIL, através da redução da maioridade penal.

Reconhecemos que o país precisa sim dar repostas a violência que assola o país, mas esta não pode ser a base da emoção e do desespero, de forma irresponsável, muitos com propósitos meramente eleitoreiros. Os que defendem a redução da maioridade penal, saibam que esta multiplicará o quadro caótico de violência que assola o país, afinal não são os jovens a causa da violência no Brasil.

Aracaju, 10 de abril de 2015.       

Movimento Nacional de Direitos Humanos de Sergipe