Professores fazem ato e pedem que justiça se coloque do lado do trabalhador

45
Agravo que pede derrubada de liminar, que declara greve dos professores ilegal, deve ser julgado na próxima quarta, 17

Em ato em frente ao Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ/SE), os professores da rede estadual esperavam Agravo que pede derrubada de liminar, que declara greve dos professores ilegal, deve ser julgado na próxima quarta, 17que fosse julgado pelos desembargadores, nesta quarta-feira, 10, o agravo regimental, protocolado pelo SINTESE, que pede a revogação da ilegalidade da greve iniciada no dia 18 de maio.  O agravo não foi levado ao pleno para julgamento. A expectativa é isso aconteça na próxima quarta-feira, 17.  

“Iremos manter a greve até lá. Temos uma semana para extrair do Governador Jackson Barreto uma propostas de pagamento do piso para todos os professores e dentro da carreira, como estabelece a Lei. Se até terça-feira [16] esta negociação não chegar faremos uma acampamento enorme na Praça Fausto Cardoso, em frente ao TJ, para mostrar ao judiciário nossa força e nossa voz”, afirma a presidente do SINTESE, professora Ângela Maria de Melo.

Do início do ano até agora o Governo do Estado não apresentou nenhuma proposta de pagamento do reajuste do piso para o magistério sergipano. Vale ressaltar que a Lei Federal 11.738/2008, que regulamento o piso salarial do magistério, estabelece que o reajuste do piso deve ser concedido a todos os professores da rede pública do Brasil, sempre no mês de janeiro.

“Não temos proposta concreta, o governo precisa dizer quando e como irá pagar o reajuste do piso. Enquanto o governo não apresentar a proposta os professores continuam na luta na legalidade ou na ilegalidade. O governo de Sergipe deve cumprir o que determina a Lei e a lei diz que piso deve ser pago a todos os professores”, coloca a vice-presidente do SINTESE, professora Ivonete Cruz.

Ilegalidade da Greve

No dia 22 de maio, apenas quatro dias após o início da greve dos professores da rede estadual, oProfessores continuam greve e esperam que governo apresente proposta sobre o pagamento do piso desembargador, José dos Anjos, acatou a ação liminar do governo do estado e decretou a greve ilegal. No dia 25 de maio a assessoria jurídica do SINTESE entrou com um agravo regimental solicitando a mudança da decisão do desembargador.

Em sua peça jurídica o SINTESE argumenta ao desembargador, José dos Anjos, que o governo do estado não negociou com os professores as questões referentes ao reajuste do piso e nem os demais pontos de reivindicação da categoria, que vão além da questão salarial e perpassam por garantia de qualidade da educação e condições dignas de trabalho.

“A declaração de ilegalidade desrespeita o direto de greve. Esperamos que a justiça haja a favor do trabalhador. Nossa luta é justa, é legal, afinal o piso é lei e educação é um direito de todos”, declara a vice-presidente do SINTESE.

Solidariedade

Estiveram presentes durante o ato presidentes dos sindicatos de condutores de ambulância de todo o Brasil, que estão, em Aracaju, em um encontro da categoria, na Central Única dos Trabalhadores (CUT).

O presidente da Associação Brasileira dos Motoristas e Condutores de Ambulância (ABRAMCA), Alex Douglas, lembrou do importante papel do professor na sociedade. “Os governantes devem ter respeito como os professores porque são eles que fazem o futuro do nosso país. Sem professor, não haveria médicos, juízes, motoristas, não existe profissão sem o professor. Os condutores de ambulância de todo o Brasil estão ao lado dos professores de Sergipe nesta luta”, pontuou.

Prestaram também sua solidariedade aos professores da rede estadual o diretor do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário de Sergipe (Sindijus/SE), Gilvan Tavares, e a representante do Movimento Nacional dos Direitos Humanos (MNDH), em Sergipe, Lidia Anjos.

Assembleia

Os professores da rede estadual se reunirão em nova assembleia nesta quinta-feira, 11, às 15h, em frente ao Palácio de Despachos, local onde a categoria faz ocupação desde o dia 27 de maio. Na assembleia os professores irão deliberar os rumos da greve e a agenda de lutas.