Professores de Aquidabã paralisam suas atividades por dois dias

38

Diante da negação de direitos, professores da rede municipal de Aquidabã paralisam suas atividades nesta segunda, 21, e terça-feira, 22. Em uma ação cruel e desrespeitosa o prefeito José Carlos Santos (conhecido como Carlinhos), pagou os salários dos professores do mês de agosto no último sábado, dia 19, ou seja, com 20 dias de atraso.

Além de atrasar os salários de agosto, a prefeitura de Aquidabã acumula uma série de dívidas junto aos professores. São elas: Retroativos do piso de 2012, 2013 e 2014; 1/6 ferial e 1/3 ferial de 2012; salários novembro e dezembro 2012; 13º salário de 2012; 1/6 ferial e 1/3 ferial de 2013; 1/3 ferial e 1/6 ferial de 2014; 13º salário de 2014; 1/3 ferial de 2015.

O SINTESE vai enviar ofício ao Tribunal de Contas do Estado solicitando que o órgão faça no munícipio uma Tomada de Contas especial. O Sindicato também irá enviar ofício ao Ministério Público Estadual para pedir que o órgão abra inquérito civil público contra o prefeito.

“O prefeito vem usando um discurso de crise financeira para justificar o atraso de salários e a negação de direitos aos professores. No entanto, os recursos destinados à educação chegam ao município pontualmente. Se há recursos, logo não se trata de crise. A questão é quais são as prioridades da prefeitura de na aplicação de sua verba? Valorização do professor e da educação municipal, certamente não são prioridade para o prefeito”, pontua o representante do SINTESE no município, professor Vanderlei Silva.

Vale ressaltar que o prefeito de Aquidabã ganha R$ 24, 050,82 (Vinte e quatro mil e cinquenta reais e oitenta e dois centavos), um salário maior do que o do prefeito de Aracaju.