Governo anuncia que irá pagar professores da ativa dentro do mês

71

Em contato telefônico com a direção do SINTESE, o vice-governador, Belivaldo Chagas, afirmou que o governo de Sergipe irá pagar o salário de novembro aos professores da rede estadual, que estão na ativa, dentro mês trabalhado, bem como para os demais servidores da educação.

Sobre os sete dias de salários descontados durante o período da greve, o vice-governador informou que ainda não tem data determinada para o pagamento, mas que estudos estão sendo feitos pela equipe administrativa do governo. De acordo com Belivaldo Chagas, o intuito é que o pagamento dos sete dias seja efetuado em uma ou duas parcelas até o fim do ano de 2015. O vice-governador colocou que em breve dará uma resposta ao SINTESE.

No caso dos professores aposentados, o governo mantém a posição de só efetuar o pagamento das aposentadorias, referentes ao mês de novembro, no dia 11 de dezembro, assim como os salários dos demais servidores do estado que estão na ativa.

A informação prestada ao SINTESE foi fruto de audiência realizada 17 de novembro, antes da assembleia da categoria, entre a direção do Sindicato e o vice-governador do estado. Durante a audiência o SINTESE demonstrou que há recursos suficientes no FUNDEB e no MDE para assegurar o pagamento dos professores da ativa e dos demais servidores da educação dentro do mês trabalhado.

Em relação aos professores aposentados, o SINTESE protocolou ação judicial, nesta quarta-feira, 18, no Fórum Gumercindo Bessa, contra parcelamento e atraso no pagamento das aposentadorias.

“Entramos na justiça por ter convicção que os professores aposentados devem receber dentro do mês, assim com os professores da ativa. É inadmissível depois de mais de 25 anos contribuindo para o estado, com a sociedade e educação sergipana sermos tratados com tamanho descaso e desrespeito”, enfatiza a presidente do SINTESE, professora Ângela Maria de Melo.

Assembleia será dia 24

A direção do SINTESE alterou a data da assembleia para terça-feira, 24 para debater, sobretudo, o pagamento dos sete dias cortados durante a greve.