Professores fazem atos e mobilizações em todas as regiões de Sergipe nesta quinta

60

Na quinta-feira, 17, professores de todas as regiões de Sergipe estarão mobilizados em atos e atividades de luta para combater o desrespeito e a negação de direitos. As ações fazem parte da programação local da Greve Nacional do Magistério, convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), entre os dias 15 e 17 de março.

Ao todo acontecerão atos e mobilizações em 16 municípios sergipanos: Estância, Aquidabã, Carira, Lagarto, Pedrinhas, Neópolis, Brejo Grande, Santana do São Francisco, Feira Nova, Pedra Mole, Graccho Cardoso, Nossa Senhora das Dores, Santo Amaro das Brotas, Capela, Poço verde, Simão Dias.

Mau exemplo de gestão

No dia 17 os professores de Aquidabã farão uma Via Crucis pelas ruas da cidade, a partir das 19h.  Os educadores do município vivem um verdadeiro calvário. O prefeito José Carlos Santos (conhecido como Carlinhos) ainda não pagou aos professores o salário do mês de fevereiro e o salário de janeiro saiu no último sábado, dia 12.

Apesar das diversas tentativas de diálogo, por meio de ofícios enviados pelo SINTESE, o prefeito não abriu canal de negociação para tratar do reajuste do piso de 2016.

O fato é que desde 2012 o prefeito Carlinhos não paga o reajuste do piso aos professores. O que o prefeito fez no ano de 2013 foi aplicar o percentual do reajuste daquele ano (XX), em cima do valor do reajuste de 2011. O mesmo foi feito em 2014. O prefeito  age em total desacordo com o estabelecido pela Lei Federal 11.738/2008 (Lei do Piso).

Além disso, o prefeito não pagou entre os anos de 2012 e 2014 o 13º salário dos professores. Em quatro anos (2012 a 2016) os professores de Aquidabã não receberam remuneração por férias.

As dívidas da prefeitura com os professores de Aquidabã já superam a casa do 15 milhões de reais.

Outro município em que os professores sofrem coma negação de direitos é Carira, lá os professores estão entre os mais mal remunerados de Sergipe. Em solidariedade a triste realidade destes educadores, professores de outros municípios da região Agreste do Estado participarão de ato pelas ruas de Carira, no dia 17, às 17h.

Em Carira o prefeito Diogo Machado, não reajusta o piso salarial desde 2011. Ou seja, os professores do município deveriam receber em 2016 o piso no valor de R$ 2.135,64, mas recebem R$ 1.187,00.

Professora da rede municipal de Carira há 33 anos, Noêmia Maria Menezes, conta  que as perdas salariais estão sacrificando os professores de Carira e suas famílias. “Cálculos feitos pelo SINTESE mostram a perda em dinheiro que cada professor está tendo ao longo destes anos. No meu caso já foram mais de 90 mil reais”, desabafa.

Agenda de atos no dia 17 (quinta-feira)

Pedra Mole: Professores farão, a partir das 15h, panfletagem pelas ruas da cidade

Brejo Grande: Professores farão um café da manhã, às 8h, em frente a prefeitura da cidade. A categoria reivindica pagamento do reajuste do piso de 2016; convocação de concurso público para professores da rede municipal, fim dos contratos de professores da rede municipal (atualmente há na rede municipal de Brejo Grande apenas 38 professores efetivos. Existem mais de 90 contratos de professores na rede. A categoria luta para que os contratos sejam extintos e a prefeitura faça concurso público para estas vagas) e redução da carga horária

Santana do São Francisco: os professores farão ato em frente ao Mirante da cidade, lá ofereceram um sopão, a partir das 18h. A pauta de luta é pagamento do piso salarial de 2016; pagamento da remuneração de férias referente a junho de 2015; pagamento dos 60% restantes do salário de dezembro de 2015 (a prefeitura pagou apenas 40% do salário de dezembro); uma parcela do salário de outubro de 2012 (em 2012 a prefeitura negociou com os professores pagar o salário de outubro em 5 vezes, mas pagou somente 4 parcelas); salário de dezembro de 2012 e 13º salário de 2012

Neópolis: os educadores do município irão fazer um café da manhã em frente à prefeitura. Os professores de Neópolis lutam por reajuste do piso salarial 2016 e 2015; mudanças de nível; pagamento dos retroativos do piso dos anos de 2011, 2012 e 2014; remuneração de férias referente a janeiro de 2014 e janeiro de 2016

Lagarto: os professores participarão na seda da subsede do SINTESE, às 8h, de Oficina de Estudo das Tabelas de Perdas Salarial do Magistério de Lagarto

Pedrinhas: Em pedrinhas os professores farão uma caminhada pelas ruas da cidade, a partir das 17h. A concentração será na Praça da Matriz

Feira Nova e Graccho Cardoso: os professores farão atos conjuntos nas duas cidades. Primeiro os professores da Graccho vão a Feira Nova para participar do ato no município. Em seguida os professores de Feira Nova e os de Graccho Cardos retornam a Graccho onde será feito outro ato.

Nossa Senhora das Dores: A categoria irá se reunir em assembleia no dia 17

Santo Amaro: os professores farão ato, a partir da 8h. A concentração será em frente à Igreja Matriz da Cidade

Poço Verde: Os educadores se reunirão em assembleia, às 9h, para discutir ações de luta.

Capela: Os professores participarão de audiência com o prefeito Ezequiel Ferreira Leite Neto, às 9h, para discutir reajuste do piso salarial de 2016, pagamento das férias referente a janeiro de 2016. Após a audiência com o prefeito a categoria se reunirá em assembleia

Simão Dias: Os professores se reunirão para fazer estudos sobre o Plano Municipal de Educação

Estância: os professores de Estância farão chama pública no povoado Porto do Mato para que pais, mães e responsáveis possam matricular seus filhos em creches do município. Após isso, os professores irão protocolar denúncia no Ministério Público, na qual apontam que no povoado Porto do Mato, 78 crianças, em idade de creche, não estão matriculas nas creches que pertencem ao município de Estância.