SINTESE reapresenta estudos e volta cobrar assento no conselho do Sergipeprevidência

62

A presidenta e o vice-presidente foram recebidos pelo novo diretor-presidente do órgão

A presidenta do SINTESE, professora Ivonete Cruz e o vice-presidente professor Roberto Silva dos Santos foram recebidos na manhã desta segunda-feira, 03, pelo novo diretor-presidente do Sergipeprevidência José Roberto de Lima.

A professora Ivonete Cruz colocou para o novo gestor do Sergipeprevidência as dificuldades vividas pelos educadores e educadoras aposentadas que desde agosto de 2015 recebem os proventos com atraso e do debate travado pelo sindicato no sentido de buscar soluções para a capitalização do FINANPREV

Como representantes do magistério da rede estadual, tanto a presidenta quanto o vice reafirmaram a posição do SINTESE contrário ao uso dos recursos do FUNPREV

“Para nós é preocupante que o Governo do Estado tenha conseguido aprovar uma lei que utiliza recursos do FUNPREV, pois sabemos que os recursos hoje disponíveis só serão suficientes para garantir o pagamento dos salários por alguns meses. E depois? Salários atrasariam de novo, e o FUNPREV quebrado, frustrando o sonho dos novos servidores de ter uma aposentadoria tranquila”, aponta o vice-presidente, Roberto Silva dos Santos.

Também houve questionamentos ao diretor presidente do Sergipeprevidência sobre qual a forma de capitalização dos recursos a serem retirados, pois não está claro na lei aprovada. Outra preocupação do sindicato com relação a lei aprovada semana passada é que não há garantias de que a utilização dos recursos seja feita somente uma vez. José Roberto Lima disse que a forma de capitalizar os recursos está em decreto.

Questões não respondidas

Os estudos feitos pelo sindicato sobre as inconsistências dos dados nas contas do Sergipeprevidência também foram reapresentados ao novo gestor do órgão e foi solicitado também respostas a algumas questões que não foram respondidas pela gestão anterior, como é o caso do real valor do aporte financeiro feito pelo Governo do Estado, dados das folha de pagamento e sobre o aporte feito nos anos de 2015 e até julho de 2016 de R$311 milhões  em recursos do MDE para o Sergipeprevidência.

Assento no Conselho do Sergipeprevidência

A presidenta e o vice-presidente reiteraram a solicitação de intermediação da gestão para que haja mudança na legislação com o objetivo de inserir os servidores no conselho do Sergipeprevidência. É preciso que os servidores públicos ativos e aposentados, civis e militares do executivo, legislativo e judiciário tenham assento.

“Há um problema na previdência estadual, mas é complexo buscar uma solução quando os servidores públicos não tem assento no Conselho, que é a instância que deve discutir a política previdenciária”, afirma a presidenta do SINTESE.

O sindicato pleiteia também ainda uma vaga para o magistério, pois segundo dados do próprio Sergipeprevidência, aproximadamente 40% dos servidores públicos estaduais aposentados (as)  são educadores e educadoras.