Dia 18 tem ato público contra modelo de Ensino Médio imposto pela SEED

78

As 18 escolas selecionadas pela SEED entregarão documentos rejeitando modelo imposto para Ensino Médio de Tempo Integral

Na próxima quarta, 18, a partir das 8h em frente a Secretaria de Estado de Sergipe – SEED, os professores e professoras das 18 unidades de ensino escolhidas para funcionar como escolas com Ensino Médio em tempo integral protocolarão documentos rejeitando a proposta imposta pela SEED.

A decisão de rejeitar a imposição da SEED foi tomada em plenária realizada pelo SINTESE no último dia 10, na Escola Municipal Presidente Vargas.

Por unanimidade os docentes rejeitaram a imposição por compreenderem que a transformação das unidades de ensino em escolas de tempo integral não deve ser feita a partir de imposições e sim de um debate e diálogo com toda a comunidade escolar (pais, mães, estudantes, funcionários e professores).  Boa parte das escolas só soube da proposta após divulgação do Ministério da Educação no final do ano passado.

“Não somos contra a implantação do Ensino Médio em Tempo Integral, mas não podemos aceitar é a imposição da Secretaria de Estado da Educação, sem nenhum diálogo, sem nenhum debate com a comunidade escolar, além de desconsiderar a realidade das escolas e dos municípios”, afirma presidenta do SINTESE, Ivonete Cruz.

SEED quer antecipar medidas

Além disso, o projeto de lei (PLC nº34/2016 oriundo da Medida Provisória 746) que trata da implementação das escolas de Ensino Médio em Tempo Integral sequer foi votado pelo Congresso Nacional e a SEED já se antecipa na sua implementação.

Outra questão considerada pelos professores é que nenhuma das unidades de ensino escolhidas atendem às recomendações do anexo IV, da Portaria nº 1.145, de 10/10/2016, que institui a política de fomento para as escolas de Ensino Médio em Tempo Integral.

Também deve ser levado em consideração que tanto a implementação tanto da MP 746 quanto das Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral se faz necessária a aprovação da Base Nacional Curricular Comum, documento que ainda não foi finalizado e tem como objetivo sistematizar o que é ensinado nas escolas de todo o Brasil, desde a Educação Infantil até o Ensino Médio.

“A SEED quer efetivar medidas que sequer foram aprovadas no Congresso Nacional e de forma aligeirada e sem ouvir as comunidades escolas. Quer impor um modelo de escola que no futuro deixará ainda mais caótica a rede estadual de ensino, prejudicando crianças, adolescentes, jovens e adultos”, aponta Leila Moraes, diretora do departamento de Assuntos da Base Estadual do SINTESE.

Fechando turmas do Ensino Fundamental

Isso sem contar que a proposta imposta pela SEED às 18 escolas fere a legislação vigente e deixa explícita a intenção do governo de se desresponsabilizar pelo Ensino Fundamental (quando fecha turmas e turnos). Tal ação traz consequências terríveis para a rede pública estadual como um todo, pois os recursos da educação pública são oriundos do montante de matrículas, por isso quanto mais estudantes, mais recursos, quando o número de alunos nas escolas reduz os recursos também sofrem diminuição.