Professores de Sergipe deliberam greve por tempo indeterminado

58
Greve geral da educação pública terá início no dia 15 de março

Contra a reforma da previdência orquestrada pelo governo golpista de Michel Temer; contra a Greve geral da educação pública terá início no dia 15 de marçodesestruturação da carreira do magistério promovida pelo governo Jackson Barreto; contra o desmonte da educação pública da rede estadual de ensino forçada pelo secretário de estado educação, Jorge Carvalho e contra prefeitos e prefeitas que insistem em desrespeitar as leis e retirar direitos; professores e professoras do estado de Sergipe entram em greve por tempo indeterminado a partir do dia 15 de março.

A categoria deliberou a greve durante assembleia geral unificada das redes municipais e estadual de ensino, que aconteceu nesta quarta-feira, dia 8, no Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, em Aracaju.

 A greve dos professores de Sergipe faz parte de uma movimentação nacional puxada, no seguimento da educação, pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE). No dia 15 de março professores e professoras de todo o país vão cruzam os braços e aderir à Greve Geral Nacional da Educação. A pauta que congrega a luta dos professores e professoras em todo o Brasil pede o fim ao golpe de Estado, a não aprovação da reforma previdenciária, pelo cumprimento da lei do piso salarial nacional e pelos investimentos necessários e previstos no Plano Nacional de Educação (PNE).

 “Não sairemos da rua e da luta enquanto não barramos a reforma da previdência maldosamente orquestrada pelo governo golpista de Michel Temer, este é o nosso norte, é o que une a luta dos trabalhadores e trabalhadoras de todo o Brasil. Vivemos em nosso país tempos tenebrosos onde um governo golpista e ilegítimo tem sangrado direitos dos trabalhadores, conquistados com muita luta. Não podemos permitir que a única aposentadoria para trabalhadores e trabalhadoras de nosso país seja a morte”, taxou a presidenta do SINTESE professora Ivonete Cruz.

 Além da Greve Geral Nacional da Educação, os cenários em relação ao cumprimento do reajuste do piso salarial nacional do magistério nas redes municipais e estadual de ensino de Sergipe também foram pauta durante a assembleia dos professores.

Ato pelo dia internacional de luta das mulheres

 Após a assembleia professores e professoras seguiram em marcha pelas ruas do centro de Aracaju, para se juntar a trabalhadores e trabalhadoras dos mais diversos setores e seguimentos em um ato contra a reforma da previdência, que tem como principal vítima as mulheres trabalhadoras do Brasil. O ato fez parte da programação do dia internacional de luta das mulheres, no estado de Sergipe.

Em sua fala durante o ato a presidenta do SINTESE, professora Ivonete Cruz, fez questão de chamar a atenção para as condições desiguais de vida entre homens e mulheres e o porquê a reforma da previdência, fomentada pelo governo golpista de Michel Temer, onera e pesa mais sobre as costas das mulheres trabalhadoras.

“Infelizmente ainda vivemos em uma sociedade machista e desigual, na qual mulheres têm triplas jornadas de trabalho, pois além dos nossos empregos, na grande maioria dos lares de nosso país toda a responsabilidade pela casa e pela a criação dos filhos recai sobre as mulheres. Não temos uma condição de vida igual e em muitos casos não temos nem um salário igual ao dos homens. Então por que o mesmo tempo para a aposentadoria? Diferente do que o governo golpista quer fazer a sociedade acreditar não se trata de um privilégio. Por isso, companheiras, devemos ocupar as ruas e seguir na luta até barramos esta famigerada reforma da previdência e derrubarmos o governo ilegítimo de Michel Temer”, conclamou a presidenta do SINTESE.

Participe desta luta, vamos construir a greve do dia 15 de março

Em tempos de golpe e de guerra é o momento de todos os trabalhadores e trabalhadoras se unirem na luta, por isso, professores e professoras de todo o Brasil vão às ruas e constroem a Greve Geral Nacional da Educação em defesa de seus direitos, por educação pública de qualidade social, por valorização e contra a reforma da previdência.

Vamos à luta!