Professoras aposentadas participam de curso de formação e redigem carta ao Governador Jackson Barreto

253

Professoras aposentadas de todas as partes de Sergipe se reuniram, entre os dias 18 e 20 de abril, para participar de Curso de Formação Política, na Chácara João XXIII, em Salgado. A partir da premissa paulofreriana de que a aprendizagem não se dá quando um fala e outros escutam, mas sim através da troca de saberes, as educadoras aposentadas compartilharam experiência e se aprofundaram em debates que afetam as vida dos trabalhadores e trabalhadoras, da ativa e aposentados, de Sergipe e de todo o Brasil.

Entre os temas debatidos durante o curso de formação estavam: A situação dos aposentados em Sergipe, Reforma da Previdência; Terceirização; Política educacional do Governo Jackson Barreto; Os pacotes de maldades do Governo Temer, Privatização da água, violência contra criança, mulheres, juventude e idosos e Reforma Trabalhista.   

“Participaram do curso de formação 120 professoras aposentadas vindas de todas as regiões do estado. O nosso curso teve como objetivo formar militantes para a luta dos aposentados e aposentadas. Buscamos debater temas que mexem com as vidas e com o dia a dia de todos os trabalhadores sejam eles da ativa ou aposentados. Além de discutirmos e traçarmos estratégias de luta contra a cruel política de atraso no pagamento de nossas aposentadorias, que vem mês após mês massacrando professoras e professores aposentados . Este espaço é um instrumento fundamental para o fortalecimento de nossa luta e para reafirmamos o nosso lema: Aposentados sim, inativos nunca, educadores sempre”, afirma a diretora do departamento de aposentados do SINTESE, professora Maria Luci Lima Santos.  

Ao final do curso as professoras aposentadas construíram coletivamente uma carta destinada ao Governado do estado, Jackson Barreto, intitulada de Carta da Chácara João XXIII.

Na carta as educadoras aposentadas exigem a abertura de diálogo e soluções para o constante atraso e pagamento fora do mês de seus proventos de aposentadoria; para o não cumprimento, por parte do governo Jackson Barreto, da Lei do Piso Salarial do Magistério, que tem contribuído para o empobrecimento de professores da ativa e aposentados (professores e professoras da ativa e aposentados estão a 4 anos – 2012, 2015, 2016, 2017 – sem reajuste) e para a política nefasta do Secretário de Estado da Educação, Jorge Carvalho, com o aval do próprio governador, que tem promovido o desmonte da rede estadual de educação de Sergipe.        

A carta será enviada ao governador até o início da próxima semana.