Noite de terror: Ladrões invadem escola municipal em Capela

75

 

O mês de julho nem chegou ao fim e já está marcado como um mês de grande violência em escola municipais do interior do estado. Desta vez, bandidos invadiram a Escola Municipal Antônio Ferreira Carvalho, em Capela.

Por volta das 20h, desta quarta-feira, 26, dois homens encapuzados entram pelos fundos da Escola Municipal Antônio Ferreira Carvalho. Inicialmente renderam a diretora e uma funcionária. Logo depois invadiram as salas de aula e ordenaram que professores e estudantes entregassem seus celulares.

Não é a primeira vez que a Escola Municipal Antônio Ferreira Carvalho é invadida por ladrões. O muro do fundo da escola é baixo, o que facilita a ação de bandidos. A comunidade escolar há anos solicita que a prefeitura faça reformas na unidade de ensino, não só para garantir mais segurança, mas também para assegurar um ambiente digno de ensino e aprendizagem a professores e estudantes. No entanto, entra gestão e sai gestão e nenhum prefeito atende o clamor da comunidade.

Embora não tenham deixados feridos, os ladrões promoveram pânico nas dependências da unidade de ensino. Muitos estudantes estão amedrontados e cogitam até interromper os estudos.

“Foi um noite de terror. Todos estão muito assustados. Nossos alunos da noite estão com medo de voltar à escola, muitos dizem até que vão interromper os estudos porque não se sentem seguros. Veja o ponto absurdo ao que chegamos, veja a forma como a violência invadiu as nossas escolas. Um espaço que era para ser de educação, cuidado, segurança, torna-se um espaço do medo. Jovens cogitam parar de estudar por medo. Queremos saber onde estão as políticas efetivas de segurança em nosso estado? O que os gestores municipais estão fazendo? O que o governo do estado está fazendo? O que estão esperando acontecer dentro das nossas escolas públicas para compreender a necessidade de uma política ampla e unificada de segurança pública?”, questiona o coordenador do SINTESE na região do Vale do Cotinguiba e professor da Escola Municipal Antônio Ferreira Carvalho, Jailson Correia da Silva.

Até agora 3 escolas municipais sofreram arrastões

A violência sai das ruas e adentra os portões das escolas públicas de Sergipe. O que era uma situação rara, de exceção, tem se tornado corriqueira. Prova disso, é que nós últimos 15 dias três escolas municipais em pontos diferentes do estado sofreram arrastões. Foram elas: Escola Municipal Geminiano do Nascimento Fonseca (Boquim), Escola Municipal Zarria Gabriel Jasmim (Estância) e agora a Escola Municipal Antônio Ferreira Carvalho, em Capela

Ladrões armados invadiram estas escolas, ameaçaram, fizeram de reféns professores, direção, funcionários e estudantes e levaram seus pertences de valor. O caso mais grave foi o de Estância, na Escola Municipal Zarria Gabriel Jasmim, lá um estudante foi atingido de raspão na cabeça por um tiro disparado por um dos assaltantes.

A violência é um problema de cunho estrutural e social, merece atenção e não é combatida apenas com repressão policial. “Enquanto o governo estadual e municipal continuarem a se manter em letargia e não tomarem como prioridade a necessidade de ações conjuntas e a construção de políticas efetivas, que não envolvam apenas os agentes de segurança pública, mas também assistencial social, entidades de direitos humanos e principalmente a comunidade escolar, os muros das escolas públicas não irão conseguir barrar a violência das ruas”, coloca o coordenado do SINTESE na região do Vale do Cotinguiba, professor Jailson Correia da Silva.