Professores de Pacatuba continuam em greve

62

Os professores da rede municipal de Pacatuba decidiram continuar a greve deflagrada desde o dia 07 de julho. A manutenção do movimento grevista se deu porque os educadores ainda estão sem receber os salários de maio e junho, apesar da decisão judicial. Dia 21 de agosto os educadores voltam a se reunir em assembléia para definir os rumos da greve.

De acordo com membros da diretoria executiva do SINTESE que estiveram no município, o secretário de Administração informou o salário de julho será pago de forma integral e que o de agosto já estaria embutido com a gratificação de difícil acesso, que foi garantida pelos professores através de ação judicial. Com relação aos salários de maio e junho o secretário informou que espera decisão da justiça.

Só que a decisão saiu dia 23 de julho, mas devido a burocracia judiciária e uma pane no setor de informática, somente no dia 07 de agosto a prefeitura foi notificada. Enquanto isso os educadores que tiveram seus salários cortados desde o mês de maio vivem numa situação crítica.

Por duas vezes o SINTESE distribuiu cestas básicas, através de um expediente enviado ao Ministério Público o sindicato conseguiu que os professores que estão sem salários há três meses fossem incluídos temporariamente entre os beneficiados com cestas básicas pela Secretaria de Estado da Inclusão e Desenvolvimento Social – SEIDES.

O SINTESE entrou com uma ação judicial logo após o prefeito Luis Carlos Santos ter cortado o salário de 56 professores, apesar do acordo feito uma semana antes em audiência no Ministério Público. A situação educacional no município beira o caos. A legislação educacional não é respeitada, as escolas estão caindo aos pedaços, a água está contaminada, não há transporte para os professores que ensinam nos povoados, não há segurança ou iluminação na maioria das escolas.

O sindicato inclusive produziu um dossiê com documentos e fotografias e enviou ao Ministério da Educação e aos demais órgãos fiscalizadores dos recursos da Educação, denunciando o descaso e a total falta de política educacional do prefeito Luiz Carlos Santos.