SINTESE EM AÇÃO 05 – EM SERGIPE A CRISE É FAKE

118

É muito comum no cenário político brasileiro um candidato a cargo majoritário, como o de governador, por exemplo, quando vence a eleição e assume o cargo, ter, como instrumento de mudança, para diferenciá-lo do governo anterior, a narrativa de que recebeu o estado em crise, quebrado, sem dinheiro. Levante a mão aquele que jamais ouviu uma história como esta.

Pois é, com o Governador Belivaldo Chagas não foi diferente. A primeira coisa que ele fez ao assumir o Governo de Sergipe foi utilizar esse estratagema. Porém, o caso de Belivaldo tem uma particularidade: Belivaldo era o vice-governador de Jackson Barreto. Ele fazia parte do combo administrativo do estado. Consequentemente, ele deveria conhecer as reais condições de Sergipe e ter contribuído para a melhora da situação financeira. E mesmo na condição de vice-governador já deveria estar trabalhando para sanear as finanças. Em tempo, é bom lembrar que Belivaldo assumiu o Governo pela primeira vez quando Jackson deixou o posto para concorrer ao senado em 2018.

Durante a campanha para reeleição o lema de Belivaldo era: “Chegou para resolver”. Mas, vamos pensar um pouco: se Belivaldo era o vice de Jackson. Assumiu o governo antes das eleições. Foi governador pela primeira vez durante seis meses. Ele veio para resolver um problema que ele ajudou a criar.
A questão é que, desde o momento em que foi reeleito Belivaldo continua repetindo a mesma narrativa: estamos em crise, o estado está quebrado, não tenho dinheiro para pagar os funcionários em dia, não posso reajustar o piso dos professores, e por aí vai.

Acontece, que Belivaldo apenas fala em crise, mas não consegue provar a existência da mesma. Não abre as contas do estado. Não mostra os números. Ele espera apenas que nós, sergipanos, acreditemos em sua palavra. Porém, no momento de pós-verdade em que estamos vivendo apenas a palavra do governador não basta.

Governador, durante sua campanha o senhor disse que veio para resolver. Esperamos que o senhor cumpra sua palavra e resolva. Esperamos ainda um pouco mais. Esperamos que o senhor seja transparente. Que abra as contas do estado e mostre os números. Caso contrário, nós vamos continuar acreditando que essa crise é fake.