Santo Amaro das Brotas: justiça de Sergipe permite que professores e professoras recebam salários atrasados e parcelados

365

Há dois anos professores e professoras da rede municipal de ensino de Santo Amaro das Brotas convivem com o fantasma do atraso de salários. É sempre o mesmo suplício, o salário do mês é pago somente no mês subsequente.

Desde o final do ano de 2019, até o presente momento, a situação tem sido ainda pior. Porque além de atrasar, o prefeito Genivaldo dos Anjos Costa Santos, conhecido popularmente por Dadau, paga os salários em duas parcelas. Parte do salário dos professores e professoras é paga no dia 10 de cada mês e a outra parte é paga no dia 20 do mês seguinte, com mais de trinta dias de espera entre uma parcela e outra.

Uma situação que seria de indignar qualquer pessoa que tem o mínimo de senso de justiça. Mas o que torna ainda mais chocante tudo isso é que a divisão do salário em duas parcelas e o pagamento com mais de trinta dias entre uma e outra, foi autorizada pela justiça sergipana. Isso mesmo: o prefeito Dadau tem o aval do Tribunal de Justiça de Sergipe para passar por cima de um direito básico de professores e professoras, que é receber seus salários de forma integral e dentro do mês trabalhado.

Para ter ideia de como a situação é gritante, hoje, dia 09 de abril, o prefeito Dadau depositou apenas 30% do salário referente ao mês de março. Na véspera do feriado da Semana Santa, quando professores e professoras contavam em receber seus salários para comprar o peixe da sexta-feira da Paixão, para aproveitar a Páscoa junto de suas famílias, mais uma vez recebem, da prefeitura de Santo Amaro das Brotas, o descaso e o desrespeito de seus direitos, e tudo isso com o consentimento do Tribunal de Justiça de Sergipe

Busca por justiça

A Justiça de Sergipe ignora e massacra o direito do trabalhador e permite que a prefeitura de Santo Amaro passe por cima de Leis, trazendo aos professores e professoras transtornos de todas as ordens. É cruel ignorar o fato de que salário é vida, é alimento na mesa, são contas pagas. Afinal, as contas chegam na casa de todo mundo com seus valores inteiros e não divididos pela metade. Salário representa a dignidade do trabalhador e da trabalhadora.

Diante de tamanha covardia e desrespeito, o SINTESE entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal para que a decisão do Tribunal de Justiça de Sergipe seja derrubada e o prefeito, Dadau, honre seu compromisso com professores e professaras da rede municipal de ensino de Santo Amaro e pague os salários em dia e integralmente.

“O que está acontecendo em Santo Amaro é revoltante. Além do prefeito não garantir um direito primordial de professores e professoras, que é receber seus salários em dia, de forma integral, toda a situação ainda é amparada pelo Tribunal de Justiça de Sergipe.  Que justiça é essa que passa por cima de direitos? Que nega salário integral ao trabalhador? Que não proteja o direito de mãe e pais de família? É de indignar essa inversão acerca da proteção dos direitos. Por isso, o SINTESE já entrou com uma ação no Supremo para que esta situação de Santo Amaro possa ser revertida o quanto antes e a vida dos professores e professoras volte ao normal. Esperamos que desta vez a justiça realmente seja feita”, coloca a diretora do Departamento de Bases Municipais do SINTESE, professora Ivônia Ferreira.