Tobias Barreto: prefeitura atrasa repasse de empréstimos e magistério é constrangido por cobranças indevidas

De forma sistemática, prefeitura tem atrasado repasses de parcelas de empréstimos consignados e com isso, professoras e professores são constrangidos todos os meses com telefonemas e cartas de cobrança

378
Mesmo com o desconto feito nos contracheques, os professores e professoras recebem notificações de cobrança porque a prefeitura não faz os repasses em dia

A exemplo dos professores e professoras de Boquim, que denunciamos semana passada, os integrantes do magistério que solicitaram empréstimo consignado em Tobias Barreto agora se veem às voltas com o recebimento de telefonemas e cartas de notificação da Caixa Econômica Federal – CEF cobrando o pagamento de parcelas de empréstimos que os professores e professoras já pagaram, pois, os valores foram descontados em seus contracheques.

Ou seja, a Prefeitura de Tobias Barreto faz o desconto dos valores nos contracheques dos professores logo que fecha folha de pagamento, mas o repasse ao banco é sistematicamente feito com atraso, o que ocasiona uma cobrança do banco e, consequentemente, o constrangimento de professoras e professoras.

Além do estresse causado, a ação da prefeitura de Tobias Barreto em atrasar os repasses também causa outro problema. A informação da instituição financeira é que, por conta do atraso nos repasses dos valores dos empréstimos por parte da prefeitura, não é possível acessar financiamentos fornecidos pelo banco.

“Os professores e professoras ficam sem acesso a coisas muito sonhadas para qualquer pessoa, como uma casa própria, um veículo, uma viagem. E o pior, é saber que isso é causado por uma bagunça administrativa da prefeitura, pois o dinheiro é descontado de nós”, afirma o professor Estefane Lindeberg, da coordenação da subsede Centro-Sul do SINTESE e professor da rede municipal de Tobias Barreto.

O desconto é feito mensalmente no contracheque dos professores e professoras, mas a prefeitura não faz os repasses com atrasos

Os nomes e dados financeiros dos professores que enviaram contracheques e cartas de notificação foram apagados por motivos de segurança e privacidade