Malhada dos Bois: após audiência no MP retorno às aulas é suspenso

Depois das ponderações do sindicato, a administração municipal garantiu que irá suspender o decreto que autorizou o retorno às aulas

2

Na audiência, realizada na sexta dia 15, o SINTESE mostrou ao Ministério Público e a administração municipal que reiniciar as aulas se utilizando do Ensino à Distância e/ou distribuindo apostilas aos estudantes não são as formas mais seguras e igualitárias de garantir a aprendizagem e, muito menos, a integridade física dos estudantes, professores, funcionários das escolas e das suas respectivas famílias.

A partir das ponderações apresentadas pelo sindicato, a administração irá publicar novo decreto suspendendo o reinício das aulas.

Para o vice-presidente do SINTESE, Roberto Silva dos Santos, este é o momento de planejamento de como será o retorno às atividades escolares e também da administração municipal traçar um plano de adequação das escolas para a nova realidade sanitária que vivemos.

“A quarentena é um momento de planejamento, onde a gestão escolar e os professores podem traçar propostas para o retorno das aulas e a prefeitura elaborar um plano para adequar as escolas a esse novo cenário, pois é fundamental que isto aconteça”, aponta o vice-presidente do SINTESE, Roberto Silva dos Santos.

Entenda a situação

Apesar de até hoje (19/05) não constar no site da prefeitura, de acordo com ofício enviado pela Secretaria Municipal de Educação para o Ministério Público, no dia 30/04 foi publicado decreto 092/2020 determinando que as aulas fossem iniciadas no dia 11 de maio e que o ensino seria realizado através de aulas não presenciais (via internet) e apostilas impressas.

Os professores e professoras foram informados em uma reunião, que as aulas seriam ministradas online e para aqueles que não tivessem internet apostilas seriam impressas e entregue aos estudantes.

Vendo a gravidade da situação, o SINTESE solicitou ao Ministério Público que interviesse junto a prefeitura para que o município respeitasse o que foi estabelecido pelos pareceres dos conselhos Nacional e Estadual de Educação.

As preocupações do sindicato foram no sentido de que nem todos os estudantes de Malhada dos Bois tem aparelhos celulares e acesso à internet para que o município estabeleça a modalidade de Ensino à Distância como forma de garantir a aprendizagem e, no caso do uso das apostilas impressas (que seriam entregues aos estudantes e depois devolvidas para as escolas) pode aumentar os casos da doença no município, pois de acordo com profissionais e organizações de saúde o vírus permanece por muito tempo no papel e em superfícies como metal e plástico.