Centrais sindicais pedem lockdown em defesa da vida dos sergipanos

Iracema Corso - CUT/SE

377

Dirigentes das centrais sindicais CUT, CTB, CSP-Conlutas e UGT estão preocupados com a possível reabertura do comércio em Sergipe e retorno de todas as atividades econômicas a partir dos próximos dias sem respeito às normas sanitárias necessárias conforme orientações definidas pela OMS.

O movimento sindical defende o lockdown, ou seja, o fechamento por completo de todos os estabelecimentos empresariais para reduzir os índices de contaminação e morte por Covid-19, que continuam crescendo entre os trabalhadores.

Para os dirigentes das centrais, é preciso intensificar o isolamento social para gerar economia. “Já ultrapassamos 91,2% de ocupação das UTIs na rede privada e 82,1% de ocupação das UTIs na rede pública. O nosso sistema de saúde já está entrando em colapso antes do retorno de todas as atividades econômicas. O governador Belivaldo Chagas não pode ceder à pressão dos empresários em detrimento da vida dos sergipanos”, afirmaram.

Por várias vezes as centrais sindicais já tentaram agendar uma reunião com o governador Belivaldo Chagas para discutir demandas dos trabalhadores, porém o governo se recusa a dialogar com os representantes dos trabalhadores. Através de vídeo-conferência, haverá nova reunião das centrais sindicais na próxima terça-feira para avaliar o novo decreto que será publicado pelo governo e avaliar novas ações de luta.

Mesmo com o anúncio recente de que o governo é contra o lockdown, o movimento sindical avalia que esta é a única forma de salvar vidas, preservar a saúde da população, portanto é a única medida política cabível neste momento de avanço crescente da pandemia do Covid-19.