Prefeito de Poço Redondo usa a polícia e pratica ato de censura contra o SINTESE

35

Em uma ação truculenta, o prefeito de Poço Rendondo, Júnior Chagas, acompanhado de um carro da polícia, abordou e tentou apreender na manhã de ontem, 03, um carro de som que circulava no povoado Santo Rosa do Ermírio com mensagens do SINTESE.  

A mensagem do sindicato explicava à população que o prefeito, sem qualquer diálogo com a categoria, cortou a regência de classe dos professores e professoras das escolas municipais.

Além de ferir a liberdade de expressão, pois a mensagem não ia contra a imagem de ninguém, só relatava os fatos como aconteceram, o prefeito constrangeu um trabalhador que estava ali “ganhando o pão de cada dia”.

A justificativa para a abordagem era que estava acontecendo um “abuso no uso do som”. Detalhe, a manhã de hoje foi chuvosa em Poço Redondo, o carro além de estar circulando na cidade, estava com o equipamento coberto por uma lona, descaracterizando qualquer abuso e configurando como censura e atentado à liberdade de expressão.

“Pelo visto, os professores e professoras não podem, através do seu sindicato, discordar de uma ação do prefeito, quando isso acontece ele tem agido com truculência. A todo momento estamos abertos ao diálogo, mas não podemos aceitar que a liberdade de expressão seja ameaçada”, disse o professor Cloverton Santos, coordenador geral da subsede Alto Sertão do SINTESE.

Em entrevista à Radio FM com participação da coordenação da subsede Alto Sertão e o prefeito, ficou encaminhado o sindicato enviar ofício ao prefeito para realização de audiência não presencial para discutir o decreto e na perspectiva do sindicato a respectiva revogação.

Flagrante da abordagem da polícia ao carro de som. No veículo atrás da viatura policial está o prefeito de Poço Redondo, Júnior Chagas