CUT convoca para o dia Nacional de Luta pela Vida, em 7 de agosto

209

Por CUT Nacional

As CUTs dos 26 estados e do Distrito Federal, os sindicatos, federações, confederações e representantes das demais centrais atenderam ao chamado e participarão com ações, homenagens e protestos, nos locais de trabalho e nas ruas, do Dia Nacional de Luta pela Vida e dos Empregos, na próxima sexta-feira, dia 7 de agosto. Em Sergipe o ato acontece a partir das 8h na Praça General Valadão.

Não podemos ver 100 mil mortos como um número frio, mas como uma tragédia. E para isso é preciso que a população manifeste sua insatisfação com este governo, afirma Sérgio Nobre, presidente da CUT, se referindo ao número de vidas perdidas para a Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, que o Brasil atingirá esta semana.

“Nós alertamos no início da pandemia, em março que se o governo federal não abraçasse a e coordenasse uma política e um processo de isolamento social para que pudéssemos sair rapidamente dessa crise, preservando vidas e empregos, o país vivenciaria uma enorme tragédia”, diz Sérgio Nobre.

A tragédia anunciada de que o Brasil perderia milhares de vidas e que a economia do país iria para o fundo do poço por falta de um comando nacional para combater a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) se confirma a cada dia. Esta semana o país deve atingir a triste marca de 100 mil mortos por Covid 19 e todo mês milhares de trabalhadores e trabalhadoras perdem o emprego e não têm sequer esperança de uma rápida recolocação no mercado de trabalho.

Segundo país do mundo mais afetado pela pandemia, o Brasil soma 95.819 vidas perdidas e 2.808.076 casos confirmados. Com o aprofundamento da crise econômica, 12,4 milhões de trabalhadores estão desempregados.

Foi este cenário que levou a CUT e as demais centrais a convocar uma grande manifestação no dia de luta pela vida e pelos empregos nesta sexta, dia em que provavelmente o país atingirá ou até mesmo ultrapassará os 100 mil mortos pela pandemia.

Tanto os números de brasileiros mortos quanto desempregados poderiam ser evitados se o presidente da República não fosse irresponsável ao chamar a Covid-19 de gripezinha, defender o uso de remédio ineficaz (Cloroquina) contra a doença, promover aglomerações, não utilizar máscaras e não liberar recursos suficientes para a área de saúde e não apresentar sequer uma proposta de geração de emprego e renda .

A incompetência ou descaso com a pandemia é tamanha que, de março até 25 de junho, o governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL) via Ministério da Saúde gastou apenas $ 11,4 bilhões ( 29%) dos R$ 38,9 bilhões que seriam destinados ao combate ao novo coronavírus. O valor foi revelado em uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU), obtida pelo jornal Folha de São Paulo.

Infelizmente, o governo federal desprezou todos os alertas dos trabalhadores, abriu mão de coordenar esse processo e ainda atacou prefeitos e governadores que tentaram coordenar a quarentena em seus estados e municípios, lamenta Sérgio Nobre.

“A maioria das mortes tem atingido os trabalhadores, os pobres e a parte mais vulnerável da população brasileira”, afirma.

Crise econômica e social

O presidente da CUT ressalta que o país vive uma nova pandemia, a de demissões e fechamento de empresas, em especial as micro e pequenas, que têm, entre seus proprietários, ex- trabalhadores que investiram suas poupanças e reservas financeiras em um negócio para manter suas famílias.

“São ex-bancários, químicos, metalúrgicos, gente que perdeu o emprego e que como única forma de sobrevivência, montou seu pequeno negócio para sustentar a sua família e agora está vendo o seu negócio fechar”, lamenta Sérgio Nobre.

Por todos esses motivos é que a próxima sexta-feira será o Dia Nacional de Luta em Defesa da Vida e dos Empregos (#7deAgostoLutapelaVida). Convocada pela CUT e demais centrais, as manifestações serão simbólicas para respeitar o distanciamento social necessário para ajudar a evitar a disseminação da Covid-19.

100 minutos de paralisação, um para cada mil vidas perdidas

Serão feitas paralisações de 100 minutos nos locais de trabalho, em homenagem aos 100 mil mortos e que neste período as pessoas parem para refletir sobre o que está acontecendo no Brasil.

Segundo o presidente da CUT, será um minuto de paralisação para cada mil mortos no Brasil, como homenagem àqueles que partiram e também como forma de prestar solidariedade e empatia pela dor dos familiares dessas vítimas. E ao mesmo tempo é um alerta de que o país precisa mudar de rumo.

Se você quer um Brasil com desenvolvimento e justiça social, faça esse movimento dos 100 minutos pela vida e pelo emprego e vamos dar um rumo novo para o nosso país que não merece passar pela situação que está vivendo hoje
– Sergio Nobre
“No dia 7 participe dessa mobilização, pare por 100 minutos. Que esta data seja um grande dia para homenagear aqueles que partiram e exigir mudança de rumo do país”, conclui Sérgio Nobre.

Veja como será no seu estado a mobilização pelo 7 de Agosto

Em São Paulo, na Praça da Sé, centro da capital, ao meio dia será realizado o Ato Nacional, puxado pelos presidentes das Centrais. Em seguida haverá um ato ecumênico em homenagem aos brasileiros que perderam a vida nesta pandemia.

Bahia

Um ato ecumênico, que será realizada na parte da manhã, com horário a ser definido, iniciará a manifestação em homenagem às vítimas da pandemia, em Salvador. Também serão fixadas, às 10h, cruzes no Farol da Barra, um dos símbolos da capital baiana. Faixas em passarelas da Avenida Paralela que dá acesso à rodoviária e ao aeroporto também farão parte do ato. Uma live em rede social está sendo organizada para que as pessoas se manifestem e peçam por “Fora, Bolsonaro”.

Ceará

Em Fortaleza será realizada pela manhã atividades com servidores da área da saúde que estão na linha de frente de combate ao coronavírus. À tarde, uma carreata, às 16 horas, percorrerá o bairro Barra do Ceará. A tarde também será realizada uma plenária virtual com as centrais sindicais.

Goiás

Na capital Goiânia , as entidades sindicais e movimentos sociais e populares convocam um Ato Simbólico na Praça Cívica, no dia 07, as 15 horas. O Ato simbólico será estruturado com 100 cruzes e faixas providenciadas pelo Fórum Goiano em Defesa dos Direitos, da Democracia e Soberania e pelas entidades participantes. Como o Ato será simbólico, cada entidade sindical e movimentos sociais e populares devem duas ou três pessoas para participarem.

Paraíba

Um carro de som percorrerá pela manhã algumas ruas da periferia da capital, João Pessoa, levando a mensagem do Dia Nacional de Luta em Defesa da Vida e dos Empregos. Ainda pela manhã haverá o “Amanhecer com Fora, Bolsonaro”. Os manifestantes colocarão panos pretos em suas janelas em protesto pelas 100 mil mortes ocorridas no país.

Pernambuco

No Recife, capital do estado, a concentração será a partir das 14h, na Praça da Democracia, no bairro do Derby, área central da cidade.

Rio Grande do Sul

Em Porto Alegre, capital do estado também haverá um ato com um culto ecumênico, das 11 horas da manhã ao meio dia. Em seguida, os manifestantes soltarão 100 balões pretos em homenagem às 100 mil vítimas da Covid 19 e colocarão faixas alusivas ao Dia Nacional de Luta em Defesa da Vida e dos Empregos

Sergipe

A CUT/SE, em conjunto com outras centrais, vai realizar ato público, às 08 horas, na Praça General Valadão, no centro da capital, Aracaju. Neste ato, serão fixadas no local 100 cruzes em homenagem as 100 mil vidas perdidas pela Covid-19 no Brasil. Também será realizado o São João de Luto, com bandeirolas pretas, em memória das vítimas fatais no estado e no Brasil.

A programação das ações do 7 de Agosto em todo o País será divulgada nos sites e redes sociais das centrais, das suas estaduais e seus sindicatos. Serão respeitados todos os protocolos sanitários durante as manifestações. #7deagostolutapelavida #ForaBolsonaro.

Como participar do Dia Nacional de Luta em Defesa da Vida e dos Empregos

– Use a hastag #7deAgostoLutaPelaVida

– Colocar cruzes brancas em locais de grande circulação de pessoas ou em pontos turísticos das cidades, circundando uma faixa (da cor preta) com a inscrição Fora Bolsonaro (em branco).

– Realizar ações nas ruas com a identidade visual da campanha como colagem de lambe, “adesivaços”, faixas em viadutos e circular com carro de som nas comunidades. Todos esses materiais estão disponíveis em um kit mídia no site da Campanha (https://www.campanhaforabolsonaro.com.br/ )

– Organizar carreatas pelas principais avenidas com carros identificados com a campanha Fora Bolsonaro, conduzidos por um carro de som. Todas as ações acima devem respeitar os cuidados sanitários e de distanciamento social.

– Estimular que todas as pessoas coloquem um pano preto nas janelas de suas casas como simbologia de adesão à campanha e, por fim, participar e divulgar o tuitaço que será realizado às 11 horas do dia 07 de agosto.