SINTESE cobra os equipamentos para os professores que a SEDUC diz estar garantindo para o uso do Diário Eletrônico

543
Foto: Eugênio Barreto

Em fevereiro, o SINTESE fez uma denúncia ao Ministério Público a partir de várias reclamações dos problemas do Diário Eletrônico. Até a suspensão das aulas por conta da pandemia, a realidade dos professores e professoras é de escolas desestruturadas (falta de equipamento a acesso à internet), não fornecimento de equipamento e acesso à internet aos docentes, isso sem contar a instabilidade do sistema.

Ainda em fevereiro, audiência foi realizada no Ministério Público estadual e a Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura ficou incumbida de apresentar a soluções.

Qual foi a surpresa de receber do Ministério Público que a Seduc informou, em documento, que “a SEDUC, através do Governo do Estado, tem realizado aquisição de vários equipamentos eletrônicos com a contratação de acesso à internet para os professores acessar o diário eletrônico”.

Onde estão os equipamentos e o acesso à internet?

No cenário de pandemia, as escolas estão fechadas, as aulas, a princípio suspensas e depois retomadas no formato de aulas online (que já denunciamos não chegar a totalidade dos estudantes), mas os problemas com o Diário Eletrônico continuam.

O sistema ainda é bastante instável, até o momento não tivemos informação de que algum professor ou professora das 326 escolas estaduais tenham recebido algum equipamento ou “chip” para acesso à internet móvel.

A falta de formação para o uso do sistema ainda é uma reclamação constante. A Seduc informa que “que foram realizadas visitas para habilitar professores em cerca de 45 (quarenta e cinco) Unidades Escolares, onde há disponibilidade em caráter experimental de uso do Diário Eletrônico”. Nas quarenta e cinco escolas pode ter sido feito, e nas 281 unidades de ensino restantes não foi, pois caso tivesse realmente acontecido não teríamos tantas reclamações.

O SINTESE reafirma que não é contrário ao Diário Eletrônico, mas o que não se pode admitir que a Secretaria de Estado da Educação aplique uma política deste porte sem equipar as escolas e submetendo os professores e professoras que estão com salários extremamente defasados porque o governo não aplica o reajuste do piso na carreira e reduzidos a partir do mês de abril (reforma da previdência estadual) ainda terem que usar seus aparelhos de uso pessoal para dar conta de uma política da Seduc.

No sentido de compreender a situação, o sindicato enviou oficio ao Ministério Público para que o órgão fiscalizador solicite da SEDUC o quantitativo de docentes que foram contemplados com estes equipamentos e chips qual a previsão de que sejam entregues para o conjunto do magistério da rede estadual que estão em sala de aula e também informe qual tipo de formação foi oferecida a todos os docentes da rede estadual.