“Quem vai salvar a classe trabalhadora é a luta da classe trabalhadora”

229

Somente a luta social organizada popular e da classe trabalhadora é que vai garantir que o Brasil mude o rumo. Esse foi o fio condutor das falas dos debates da abertura da XV Conferência Estadual de Educação que aconteceu via plataforma Zoom.

Valter Pomar, professor da Universidade Federal do ABC e dirigente nacional do PT falou dos impactos que a guerra travada por Estados Unidos e China pela hegemonia mundial traz para a América Latina e para o Brasil. A pressão exercida, principalmente pelos Estados Unidos, nessa guerra, apoiada pela elite brasileira, quer fazer com que o pais retroceda aos moldes do início do século 20, época em que o Brasil era somente um exportador de produtos agrícolas e minérios.

Com uma população de mais de 200 milhões o Brasil não aguenta ser uma nação que só exporta minérios e produtos agrícolas.

O pais precisa ser uma nação industrializada, com um modelo de desenvolvimento que faça com que  as desigualdades sejam reduzidas. Para ele, esse novo modelo só será posto em prática quando a luta social e popular se avolumar e a classe trabalhadora tiver outro modelo de sociedade que não seja baseado no capitalismo.

Para Jandyra Uehara, dirigente nacional da Central Única dos Trabalhadores é preciso que haja novas formas de organização da classe trabalhadora, até mesmo pelas mudanças no mundo do trabalho.

A dirigente disse que o ano de 2021 será muito difícil, mas mesmo com essa grave perspetiva é preciso ficarmos fortes e vigilantes.

E também ressaltou que essas mudanças podem provocar uma ebulição social e que a esquerda possa lutar ao lado e dar direção a essa luta, na perspectiva de dar um novo rumo para o país.

Fazendo um apanhado do que tem acontecido em Sergipe a partir do golpe de 2016 e dos governos estaduais (Jackson Barreto, Belivaldo Chagas) e Bolsonaro, com um enfoque da renúncia fiscal e da falta de investimentos, por parte do governo Bolsonaro com relação a Petróbras, o professor Rubens Marques foi enfático ao dizer que “quem vai salvar a classe trabalhadora é a própria classe trabalhadora”.