24 de janeiro é uma data que está sendo apagada do calendário. Sabe por quê? Porque é comemorado o Dia Nacional dos Aposentados e Aposentadas. A ideia é homenagear os profissionais que se dedicaram a vida inteira ao trabalho e que, por isso, teriam direito a usufruírem dos benefícios da previdência social por todos os anos de serviço prestado.

Porém, depois da reforma da previdência promovida pelos Governos de Bolsonaro e Belivaldo Chagas, comemorar esta data está se tornando impossível. Em âmbito nacional, depois da reforma da previdência, o Governo Federal dificultou o acesso à previdência pública. Com isso, todos os trabalhadores brasileiros – dos setores privados e públicos – terão que trabalhar mais tempo e irão se aposentar com salários menores, assim, de certa maneira, serão pressionados a comprarem planos de previdência privada.

Em Sergipe, Belivaldo Chagas mimetiza o seu ídolo, Bolsonaro, e avança com todas as garras sobre a aposentadoria dos servidores públicos retirando uma fatia considerável de seus salários. Antes da reforma, em nosso estado, os aposentados só pagavam contribuição previdenciária sobre os valores que ultrapassavam o teto da Previdência, R$6.433,57. Agora, todos aposentados que recebem acima de um salário-mínimo passaram a ser taxados com alíquota de 14% sobre a sua remuneração. A taxação dos aposentados causa reduções salariais que vão de R$ 150 a R$ 850 reais por mês. Isso é aviltante.

Segundo Maquiavel, “O que move a política é a luta pela conquista e pela manutenção do poder”. Por esta perspectiva, o Presidente do Brasil e o Governador de Sergipe não fogem a essa regra. Lutam para conquistar, cada vez mais, benefícios para si e para os seus e, para se manterem no poder, entregam a nação e o estado para a burguesia que lhes dá sustentação. Empatia, a capacidade de se colocar no lugar do outro como se estivesse na mesma situação, é um conceito que eles desconhecem.

Nós, o povo de Sergipe, temos que aprender a lição. Não podemos mais eleger políticos como Bolsonaro e Belivaldo Chagas. Não podemos mais nos comportar como os ignorantes políticos do texto de Bertold Brecht. Se você não lembra, vamos refrescar a sua memória.

Bertolt Brecht diz em seu texto “O Analfabeto Político” que o pior analfabeto é o analfabeto político. Segundo Bertolt Brecht, o analfabeto político não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. O analfabeto político, segundo ele, é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. O escritor conclui dizendo que é do analfabetismo político que nasce o pior de todos os bandidos: o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio dos exploradores do povo.

24 de janeiro, dia dos aposentados e aposentadas. Nada a comemorar. Tudo a reivindicar. Governador, revogue o desconto de 14% dos aposentados e pensionistas.

Sintese: Somos muitos. Somos fortes.