O negacionista é aquele que nega o obvio e ululante. O Negacionismo contagiante de Bolsonaro, então, é realmente um negócio de doido e está contribuindo para a não diminuição da incidência de contaminados, pelo coronavírus, em nosso país.

Veja o caso da vacina contra a COVID-19, por exemplo. Para o negacionista, como o Presidente, mesmo sabendo que tem muita gente morrendo devido a esse vírus, a vacina é ineficiente. E o pior, acredita, o pobre de espírito, que o indivíduo que a tomar poderá virar jacaré. Nesse caso, excepcionalmente, sendo o negacionista um Presidente da República cabe perguntar: seguindo a lógica do Bolsonaro de que quem toma a vacina pode se transformar em jacaré, será que se aplicarmos a vacina em um jacaré, este jacaré poderá virar presidente? Até que não seria uma má ideia, na atual circunstância, não é mesmo?

O negacionista é um cientista ao avesso. Acredita em tudo o que não foi aprovado empiricamente, como a hidroxicloroquina, por exemplo, indicada pelo Presidente até para as emas do Palácio da Alvorada. O negacionista, como o Bolsonaro, duvida da eficiência do distanciamento social e provoca aglomeração por onde passa, sem máscara, é claro, pois, para ele isso é “coisa de maricas”.

Para tal sujeito, negacionista, é mais importante cuidar da economia do que proteger a vida dos brasileiros. Isso nos leva a pensar que o Presidente Bolsonaro acredita que as UTIs lotadas dos hospitais, enterros em massa e o desamparo de trabalhadores e trabalhadoras, que ficaram sem renda depois da retirada do auxílio emergencial, vão aumentar o PIB do Brasil.

Nosso Presidente negacionista indicou para o cargo de Ministro da Saúde um General do Exército especialista em logística que, além de não ter um mínimo conhecimento e competência no que diz respeito à saúde, também, provou ser péssimo em logística. É só olhar para o que aconteceu em Manaus, para ter certeza disso.

O pior de tudo é que a propaganda enganosa de Bolsonaro está conseguindo fazer a cabeça de muita gente. Essas pessoas, contagiadas pelo Presidente, agem da mesma forma que ele, ou seja: não usam máscaras, provocam aglomeração, fazem festas clandestinas e por aí vai. O resultado está à vista de todo mundo: já passamos de 240 mil mortes no Brasil.

Para se ter uma ideia do tamanho dessa tragédia, é, grosso modo, como se, de repente, sumissem do mapa de Sergipe todos os habitantes das cidades de Amparo do São Francisco, Aquidabã, Arauá, Areia Branca, Barra dos Coqueiros, Boquim, Canindé do São Francisco, Capela, Carmópolis, Carira, Cristinápolis e Ilha das Flores, deu para entender?

Essa realidade não dá para negar. Assim como, também, não dá para negar a importância da vacina para nos livrarmos dessa desgraça de coronavírus que vem ceifando vidas em nosso Estado, em nosso País e no mundo. Também não podemos e não devemos negar que temos um Presidente incompetente que não está dando conta de resolver o problema e, muito pelo contrário, está fazendo o possível para que a situação piore ainda mais.

Se você for um negacionista e por acaso vier a falecer por não ter tomado a vacina contra a COVID-19, pode ter certeza, o seu Presidente, aquele que você tanto, cegamente, segue, vai dizer que não tem nada a ver com isso. Vai dizer que cometeu um erro e pedir desculpas, como está fazendo ao negar, como bom negacionista que é, que indicou ao povo brasileiro que tomasse cloroquina. Pena que, nesse momento, você não estará mais aqui para desculpá-lo.  Pense nisso.

Sintese: somos muitos, somos fortes.