Professoras e professoras engajados nas agendas de luta dos dias 20 e 24 de março

231

Professoras e professoras se juntam às demais categorias na luta conjunta pela vacina para todas e todos e contra o desmonte do serviço público

Os professores e professoras da rede estadual e das 74 redes municipais filiadas ao SINTESE deliberaram em assembleia realizada na manhã desta sexta, 19, a participação na agenda de luta envolve a vacinação para todas e todos com prioridades para os trabalhadores e trabalhadoras da Educação e contra o desmonte do serviço público.

Carreta pela Vacina e Fora Bolsonaro

O primeiro ato da agenda é a” Carreta por Vacina Já e Fora Bolsonaro” que acontece amanhã, dia 20, com concentração a partir das 8h30 na Orlinha do Bairro Industrial. Essa é uma ação de luta organizada pelas centrais sindicais e, considerando a atual situação da pandemia, é uma forma de estarmos nas ruas sem promover aglomerações e garantir a proteção de todas e todos que participam.

Dia Nacional de Luta em Defesa da Vida e pelo Serviço Público

O dia 24 de março foi definido nacional como “Dia Nacional de Luta em Defesa da Vida e pelo Serviço Público”. É preciso que os professores e professoras participem da luta e da resistência contra a Emenda Constitucional 32 (da Reforma Administrativa) e dos efeitos da PEC 186 (PEC Emergencial). Ambas alterações têm como objetivo destruir o serviço público e, consequentemente, acabar com os direitos conquistados dos trabalhadores e trabalhadoras do serviço público.

Em Sergipe o dia de luta começa com ato em frente à Prefeitura Municipal de Aracaju das 7h às 9h, essa ação de luta contará com a participação de sindicatos filiados à CUT, CTB, CSP Conlutas e UGT.

Em seguida, o SINTESE promove das 9h às 11h, ato em frente ao Palácio de Despachos para cobrar o governador Belivaldo Chagas que exerça a autonomia estabelecida pela constituição e garanta vacina para todas e todos os sergipanos e inclua os trabalhadores e trabalhadoras da Educação na lista de prioridades junto aos idosos e daqueles que trabalham na linha de frente da Saúde contra a Covid-19.

Para o SITNESE é preciso que o governador Belivaldo Chagas exerça a autonomia garantida pela constituição para ações em defesa da vida, pois depender somente da política do governo Bolsonaro vai desguarnecer ainda mais os sergipanos e sergipanas.

Em um cenário de retorno às aulas presenciais é fundamental que a segurança sanitária das escolas e a imunização de quem trabalha na Educação seja garantida, mesmo em um cenário de modelo de ensino híbrido (presencial e online), pois estamos falando de um quantitativo de mais de 150 mil estudantes e quase 15 mil trabalhadores.

“Continuaremos firmes e fortes em defesa da vida, em defesa da vacinação para todas e todos”, afirmou a presidenta do SINTESE, professora Ivonete Cruz.