Nota de repúdio ao radialista Sideney Sérvulo

70

O que leva um radialista a se colocar contrário a vacinação prioritária de professores, professoras e demais servidores da educação, contra a Covid-19? Na tentativa de encontrar alguma resposta para tal pergunta, o SINTESE vem, por meio desta nota, repudiar a fala do radialista Sideney Sérvulo, em seu programa, na Rádio FM Tobias Barreto.

 Sideney Sérvulo afirmou ser contra a prioridade de vacinação para professores e professoras de nosso estado.  O SINTESE quer aqui destacar que é a favor da vacinação para todos e todas, já. Solicita ao Governo de Sergipe que os profissionais da educação (não apenas professores e professoras) também possam fazer parte dos grupos prioritários para a vacinação contra a Covid-19.

Para uma retomada segura das aulas presenciais nas escolas públicas de Sergipe, o SINTESE reivindica também condições sanitárias nas escolas e testagem em massa de estudantes, professores e demais funcionários de escolas.

A total falta de sensibilidade do radialista Sideney Sérvulo, em seu comentário, mostra sua incapacidade de refletir sobre os graves impactos na educação, diante de mais de um ano de fechamento das escolas, por conta da Covid-19.

Não há como negar que a interrupção do ensino, de maneira presencial, casou instabilidade no aprendizado, no desenvolvimento emocional, intelectual e social de nossas crianças, de suas famílias e também de nossos professores e professoras.

Mais que um espaço de ensino, a escola é também uma espaço de aprendizagem, que não passa apenas pelo conteúdo formal das disciplinas lecionadas em sala de aula, mas também pelo convívio e afetos trocados naquele espaço entre estudantes, professores, professoras e demais funcionários. A escola é um espaço de socialização fundamental para o desenvolvimento amplo e emancipatório do ser humano.

Professores, professoras e funcionários de escolas estão em contato diário com centenas de crianças e jovens, vindos das mais diversas realidades e diferentes localidades. Somente este fato já os torna extremamente vulneráveis ao contágio de vírus. A prova disso é que hoje, em nosso país, trabalhadores da educação são considerados grupo prioritário na vacinação contra gripe. E por que em uma doença tão contagiosa como a Covid-19 isso deve ser diferente?

Diante da realidade de nossas escolas, não há como pensar em retorno seguro sem vacinação para os trabalhadores e trabalhadoras da educação e sem testagem em massa. Isso seria um desastre, um atentado contra a vida. Afirmar o contrário, como fez o radialista Sideney Sérvulo, não é apenas insensível, é desumano.

Não sabemos quais interesses políticos podem estar por trás da infeliz fala de Sideney Sérvulo, mas esperamos que o mesmo possa fazer uma reflexão e não utilize um espaço, que é uma concessão pública, para pregar inverdades sobre uma categoria que devota à vida ao ensino, aprendizagem e ao futuro das crianças e jovens de nosso município.

O SINTESE reafirmar sua crença na liberdade de expressão, no jornalismo e na ética.