A greve é contra a volta das aulas presenciais

205

Professores e professoras continuam ministrando aulas remotas

A greve decidida pelos professores e professoras das escolas estaduais e das escolas municipais dos 74 municípios filiados ao SINTESE é contra o retorno das aulas presenciais previstas para o dia 10 de maio.

No dia 10, a partir das 8h, os professores e professoras realizam ato em defesa da vida em frente a Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura.

Na assembleia unificada realizada dia 04 de maio, os docentes avaliaram que sem vacinação dos trabalhadores em Educação (docentes e funcionários), sem testagem em massa dos estudantes e sem condições sanitárias das escolas não há como voltar ao chão da escola.

“Voltar às salas de aula sem que haja nenhuma condição de segurança (vacina, testagem e escolas adaptadas) é uma sentença de morte para os professores, estudantes, funcionários de escola e às suas famílias, por isso decidimos entrar em greve, essa é uma greve pela vida”, afirma a presidenta do SINTESE, Ivonete Cruz.

Reiniciar as aulas para mais de 44 mil estudantes (matriculados no 1º e 2º ano do Ensino Fundamental) de acordo com o Censo Escolar 2020 é submeter dezenas de milhares de pessoas a uma exposição desnecessária ao vírus.

“O que os professores precisam agora é de condições de trabalho e os estudantes de condições de acesso para a continuidade das aulas remotas”, afirma Amilton Jr, do Departamento de Base Estadual do SINTESE.

Aulas remotas continuam

Com isso as aulas remotas são mantidas e os professores e professoras continuam cobrando das secretarias de Educação (estadual e municipais) as condições de trabalho para continuar ministrando-as e também as condições (fornecimento de equipamentos e em outros casos também a franquia de internet) para que os estudantes possam ter acesso às aulas.

Na rede estadual, a propaganda diz que os estudantes receberam kits escolares, mas a pergunta do sindicato é: nesse kit consta algum aparelho celular ou tablet para que o estudante tenha acesso ao aplicativo e a internet patrocinada.

Desde o início da pandemia o SINTESE tem cobrado que é obrigação dos gestores da Educação tanto estadual quanto municipais de garantir as condições para que os estudantes tenham acesso às aulas remotas.

“O direito a Educação não pode ser negado aos estudantes e nesse momento em que também defendemos a vida, as aulas remotas é o único meio e para isso repetimos é preciso que os professores tenham condições de ministra-las e os alunos de acessa-las”, finaliza a presidenta.