Para você que está me ouvindo neste momento, gostaria de pedir um momento de sua atenção. Sabe por quê? Porque precisamos refletir, juntos, sobre um tema que vai sacudir a nossa vida. Não sabe do que eu estou falando? Eu explico. Estou falando da Proposta de Emenda Constitucional 32. Para facilitar, vamos chamá-la de PEC 32 ou, melhor ainda, reforma administrativa.

Eu não sei se você já se deu conta, mas em algum momento em sua existência você já utilizou um serviço público. É essa engrenagem que garante os benefícios a que você tem direito como cidadã ou cidadão brasileiro. Pois bem, essa reforma tem como objetivo acabar com esse serviço no Brasil.

Talvez, os menos atentos possam pensar: “e eu com isso, não sou funcionário público”. Se, porventura, você faz parte desse time de distraídos, sinto em avisá-lo que essa reforma vai ser uma voadora direto nos peitos de seus direitos.  A pancada vai ser tão forte que vai atingir até as suas próximas gerações.

Agora, se você faz parte do time que acredita no discurso de Bolsonaro que diz que o Brasil tem funcionários públicos demais, que o Estado está inchado e blábláblá…, também está cometendo um terrível engano. O funcionalismo, federal, estadual e municipal, no Brasil corresponde a 12,5% da população empregada. Esse número fica abaixo da média de países tidos como liberais, como Estados Unidos com15,89%, e América Latina e Caribe, cuja média é de 17,88%.

Portanto, se você está pretendendo prestar um concurso público ou então tem alguém na sua família: irmão, irmã, filho, filha, que também tem essa pretensão, saiba que se essa reforma for aprovada estará decretado o fim dos concursos públicos para grande parte dos cargos no Brasil.

A reforma administrativa propõe, ainda, a redução da jornada de trabalho dos funcionários públicos. Isso atinge os servidores, que terão seus salários reduzidos, e você também, pois você terá muito menos atendimento nos prontos-socorros, hospitais, postos de saúde, escolas e demais serviços públicos.

Calma, ainda vai piorar mais. Ao destruir o serviço público Bolsonaro vai tirar as obrigações do Estado e ao invés de destinar a maior parte do dinheiro público para uma melhoria na educação e na saúde dos brasileiros, vai desviar os recursos para iniciativa privada. Ou seja, você vai começar a pagar por serviços que até então eram gratuitos. Entendeu ou quer que eu desenhe?

Então, companheiros e companheiras, está na hora de acordar. A reforma administrativa só vai favorecer as elites. Vamos defender os nossos direitos antes que seja tarde. Não podemos deixar para colocar a tranca na porta depois que ela for arrombada. Vamos juntos lutar contra a PEC 32. Vamos dizer não à reforma administrativa e sim ao serviço público brasileiro.

Sintese: somos muitas, somos muitos, somos fortes.