Atos em Aracaju e todo Brasil vão marcar Dia Nacional de Luta do Serviço Público

216

Para desmontar serviços públicos, privatizar Correios e acabar com direitos trabalhistas, os ataques do Governo Bolsonaro são diários. Nesta quarta, 18/8, a população fará protestos para mostrar sua indignação

O Dia Nacional de Luta do Serviço Público contra a Reforma Administrativa vai coincidir com a greve nacional unificada dos Correios. Será uma data marcada por protestos em todo o País.

Em Sergipe, os professores e professoras deliberaram na assembleia realizada no dia 11 de agosto que na manhã desta quarta, 18, realizar ato em frente à Assembleia Legislativa a partir das 8h. Além da denúncia de quão nociva a Reforma Administrativa é para o serviço público, o magistério irá cobrar a revogação do desconto de 14% nas aposentadorias pensões.

À tarde, a partir das 15h, o magistério se integra às demais categorias e participa do ato em defesa do serviço público.

A concentração será na Praça General Valadão de onde as trabalhadoras e trabalhadores seguirão pelo centro comercial e encerram nos Correios.

Nos últimos dias, Bolsonaro e seus apoiadores no Congresso Nacional aceleraram o projeto de destruição de direitos dos trabalhadores, desmonte do serviço público e entrega do patrimônio nacional e das maiores empresas públicas para a privatização. A população massacrada – pelo aumento dos preços dos alimentos, combustíveis, do desemprego e da fome vai ocupar as ruas de todo o País na próxima quarta-feira, dia 18 de agosto, mantendo os mesmos cuidados do uso de máscara, distanciamento e uso de álcool para impedir a contaminação por Covid-19.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT/SE), Roberto Silva, alertou que o cenário é de forte ataque à classe trabalhadora. “A bola da vez é o processo de privatização e entrega dos Correios à iniciativa privada e de desmonte do serviço público como a sociedade atualmente conhece”.

Roberto destacou que a população com menor renda será a principal prejudicada, pois é a usuária dos serviços públicos. “O Brasil precisa do serviço público. Queremos construir um dia de luta para mostrar como a população será ainda mais prejudicada com a Reforma Administrativa. Os Correios é uma empresa pública importante para a logística do serviço público em todo o País. É uma empresa lucrativa. Não faz sentido vender, dilapidar este patrimônio. Como ficará a população? Como ficarão as famílias dos 100 mil trabalhadores dos Correios?”, reforçou Roberto Silva.

Na última semana, a diretoria do SINTECT/SE percorreu os municípios sergipanos de Nossa Senhora da Glória, Itabaiana, Estância e Lagarto para conversar com a população sobre a gravidade deste problema. Os dirigentes sindicais denunciaram os deputados federais Fábio Reis, Valdevan Noventa e Laércio Oliveira que votaram pela privatização dos Correios, aprovando o PL 591, que agora tramita no Senado.

“Estes atos no interior de Sergipe são importantes porque muita mentira vem sendo contada para justificar a privatização dos Correios. Precisamos explicar a população como ela será prejudicada. Além da campanha salarial, reivindicamos que o povo tem direito de receber suas correspondências, as vacinas… Queremos uma audiência com o deputado Valdevan para ele explicar qual o motivo desta atitude contra os trabalhadores dos Correios e contra a população”, afirmou o secretário geral do SINTECT/SE, Jean Marcel.

Informações retiradas de texto publicado pela CUT/SE