Ato em Macambira finaliza semana de luta na região Agreste de Sergipe

117

Para fechar os atos da região Agreste, que homenagearam professores e professoras e cobraram das gestões municipais o cumprimento da Lei e de direitos, foi a vez do magistério de Macambira mandar seu recado.

Professores e professoras da rede municipal de ensino de Macambira fizeram, no fim da tarde de quinta-feira, dia 21, ato na Praça da Feira para cobra do prefeito Carivaldo Souza a atualização do piso salarial de 2020.

A atualização do piso é assegurada a professores e professoras da rede pública de todo Brasil pela Lei Nacional 11.738, desde o ano de 2008. A Lei é explicita ao colocar que a atualização do piso deve ser garantida anualmente ao magistério, sempre em janeiro de cada ano, respeitando a carreira.

Como em todas as outras cidades onde os atos aconteceram, a população esteve ao lado de professores e professoras e se solidarizou a luta. Mais uma vez o “bolo de maldades” foi distribuído entre os presentes. Simbolicamente, o bolo representou nos atos da região Agreste o “presente” que as prefeituras dedicam aos professores e professoras no seu dia: a negação de direitos.

 A coordenadora do SINTESE, na região Agreste do estado, professora Rita de Cássia, avalia que os atos, que ocorreram ao longo da semana nos municípios de Campo do Brito, Frei Paulo, Pedra Mole e Macambira, atingiram seus objetivos dialogando com a população e mostrando as gestões municipais que o SINTESE está aberto a negociação.

“Em todas as cidades a população local esteve ao nosso lado e compreendeu a importância de nossa luta, uma vez que educação de qualidade passa por valorização daqueles e daquelas que estão no chão da escola, dedicando suas vidas a formação e ao futuro de criança, jovens e adultos. Além do diálogo com a população, deixamos também nossa mensagem as gestões municipais: não basta apenas dizer palavras bonitos no dia professor, Leis devem sem cumpridas, direitos devem ser respeitados, só assim vamos assegurar educação de qualidade social em nosso municípios. Queremos dizer aos prefeitos que estamos abertos ao diálogo e a negociação”, afirma