Poço Redondo: Professores e professoras cobram pagamento de retroativo de regência de classe e transparência da prefeitura

331

Representantes da coordenação e da comissão sindical do SINTESE, em Poço Redondo, protocolaram junto a Secretaria de Municipal de Educação, nesta terça-feira, dia 26, requerimento em que solicitam o pagamento do retroativo da regência de classe dos meses de maio, junho, julho e agosto, do ano de 2020. Foi solicitado também, conforme o acertado em audiência com o gestor, a folha de pagamento do magistério

A gestão do prefeito Júnior Chagas deixou de pagar a professores e professoras da rede municipal de Poço Redondo a regência de classe por quatro meses, em um dos períodos mais duros da pandemia de Covid-19.

Vale ressaltar que existe, inclusive, decisão da Justiça sergipana que garantia ao magistério ao recebimento das gratificações por regência de classe durante o período da pandemia (caso de Porto da Folha e Nossa Senhora da Glória) e também há entendimento do Superior Tribunal de Justiça assegurando o direito.

Em Nossa senhora da Glória a prefeitura também havia cortado a regência de classe, em maio de 2020, a partir da luta de professores e professoras e de decisão judicial, o direito voltou a ser assegurado.

A regência de classe é um direito assegurado pelo Estatuto do Magistério e pelo plano de Carreira da categoria

“Esperamos que assim com em Porto da Folha e em Glória o direito dos professores de Poço Redondo também seja assegurado. A regência de classe é um direito e deve ser garantido. O corte da gratificação foi um golpe muito cruel contra os professores e professoras, que viram parte de seus salários ser cortado por quatro meses, no momento auge da pandemia. Esperamos que a gestão municipal de Poço Redondo pague com retroativo o que é do professor por direito. O SINTESE está aberto a diálogo e negociação”, afirma a coordenadora do SINTESE na região do sertão, professora Naninha do Nascimento.