Barra dos Coqueiros: prefeitura quer acabar com a carreira do magistério

384
Asa diretoras do departamento de Bases Municipais, Ivônia Ferreira (de lilás) e Emanuela Pereira estiveram nesta quarta, dia 27, na Câmara de Vereadores para dialogar com os parlamentares, mas não obtiveram sucesso

Acabar com a carreira do magistério, esse é o presente de grego que o prefeito Alberto Macedo entrega aos professores e professoras no dia do servidor público

Amanhã, 28, a partir das 8h, professoras e professores estarão em vigília na Câmara de Vereadores da Barra dos Coqueiros. A vigília irá seguir até o horário da sessão legislativa (que tem início às 19h).

Eles vão dialogar com os parlamentares para que não votem no projeto de lei, enviado pela prefeitura, que faz alterações nas leis que regulamentam o Plano de Carreira e o Estatuto do Magistério do município e que acabam com a carreira dos professores e professoras.

O projeto foi lido na sessão ocorrida na terça, dia 26 e será votado na sessão desta quinta, dia 28, a partir das 19h.

A notícia da leitura e da votação causou surpresa não só aos professores mas também à direção do sindicato, pois o secretário de Educação, José Marques Vieira Macedo tinha garantido que o projeto seria retirado e discutido com o SINTESE.

Entenda o que aconteceu

Há algumas semanas, professores entraram em contato com o sindicato informando que um projeto de lei tinha chegado à Câmara de Vereadores e que o mesmo traria diversos prejuízos para o magistério barracoqueirense.

De pronto, a direção do SINTESE entrou em contato com o secretário de Educação, pois até então a administração municipal não tinha tratado sobre o assunto com o representante do magistério.

Na época o secretário se comprometeu a retirar o projeto da pauta e discutir com o sindicato. Algumas reuniões foram marcadas e desmarcadas, a última sendo suspensa pelo próprio secretário.

“Foi uma surpresa para nós que o projeto continuou na casa legislativa e tramitou, mesmo com o secretário de Educação nos garantindo que discutiríamos o projeto. Por isso amanhã o SINTESE e os professores estarão na porta da Câmara de Vereadores para dialogar com os parlamentares para que não votem nesse projeto e impeçam que esse presente de grego seja entregue ao magistério”, disse Emanuela Pereira, diretora de Bases Municipais do SINTESE