Encontro “Resistência ao Novo Ensino Médio” visa auxiliar na construção de currículos diversos e autônomos

186

O SINTESE realiza no próximo sábado, dia 6, das 9h às 13, no Hotel Prime, em Aracaju, mais um encontro “Resistência ao Novo Ensino Médio”. A atividade tem o objetivo de seguir a luta pela construção de um currículo autônomo, que respeite a diversidade das escolas, que guie estudantes a uma formação ampla e que permita professores e professoras continuem exercendo sua profissão, ministrando suas disciplinas. O encontro é aberto a todos e todas que lecionam no ensino médio da rede estadual de ensino.

A ideia é discutir com professores e professoras, de forma coletiva, modelos de matrizes curriculares que podem ser implantados em suas escolas, diante das exigências do Novo Ensino Médio, mas respeitando a autonomia das escolas, dos docentes e da proposta pedagógica de cada unidade de ensino, conforme prevê o Conselho Estadual de Educação (CEE) e a própria Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB).

A inscrição para o Encontro deve ser feita através do link: https://bityli.com/resistenovoensinomedio

Vale lembrar que as escolas piloto e demais unidades de ensino que ofertam o Ensino Médio terão até 30 de novembro de 2021 para cumprir a obrigação legal de construir a nova matriz curricular a ser implantada no ano letivo de 2022.

Resistir é preciso

O SINTESE realizou o encontro “Resistência ao Novo Ensino Médio” em todas as regiões de Sergipe com o objetivo de fomentar debate e gerar reflexão coletiva, entre professores e professoras, sobre a construção de matrizes curriculares que resistam ao esvaziamento do conhecimento, a fragmentação da formação dos estudantes e desprofissionalização do magistério trazidos pelo Novo Ensino Médio. Além de tirar dúvidas dos participantes do encontro sobre o tema.

Para o vice-presidente do SINTESE, professor Roberto Silva, é importante que escolas, professores e professoras se apropriem do debate, construam de maneira coletiva suas matrizes curriculares e não aceitem as imposições da Secretaria de Estado da Educação.

“A nova matriz curricular para o ensino médio pode e deve ser construída por cada escolas. Afinal, quem melhor para saber da realidade de uma determinada unidade de ensino senão aqueles e aquelas que estão presentes em seu dia a dia? Se não houver resistência ao novo ensino médio, se não houver a construção de matrizes autônomas, que respeitem a realidade de professores e estudantes de cada escola, o que veremos será o caos da educação pública de Sergipe com professores fazendo malabarismos para conseguir cumprir com suas cargas horárias, sendo submetidos a uma processo de desprofissinalização e estudantes com formação fragmentada e pífia”, alerta.

Materiais e encontros

Os professores e professoras que têm dúvidas ou querem saber mais sobre os impactos do Novo Ensino Médio podem acessar as matérias, lives, textos e cartilhas disponibilizados no site do SINTESE através do link https://www.sintese.org.br/novo-ensino-medio/

Professores e professoras também podem marcar reuniões presenciais em suas escolas com o SINTESE para auxiliar na construção das matrizes. Para isso é preciso agendar o encontro através dos telefones 99645-7975 (Amilton), 99941-8670 (Tânia) e 99176-2005 (Carlos).