Confira na íntegra o programa do último sábado (27/11)

No momento em que o Sintese promove a XVI Conferência Estadual de Educação com o tema “100 anos de Paulo Freire: Resistir e Esperançar Frente às Políticas Públicas de Desmonte da Educação Pública”, paira sobre nossas cabeças uma questão:  como esperançar em tempo de desesperança, de desespero e sem despedaçar a realidade?

Na verdade, essa conferência, com esse título, foi um convite ao olhar para dentro de nós mesmos e vermos que  o que nos fortalece, o que nos dá poder é nossa união. Somente a potência do estar junto, de pensar junto, de dividir ideias, ideais e opiniões é capaz de mostrar o melhor caminho a seguir.

A união é um dimmer que muda gradualmente a intensidade da luz que irradiamos. Precisamos estar ligados o tempo todo nesse tempo torto. Somente uma corrente de nós será capaz de desatar os nós.  Precisamos contar uns com as forças dos outros para que possamos sair deste atoleiro. Para que possamos parar de patinar no marasmo que imobiliza a educação no país.

É preciso agir, mas  para isso é preciso coragem. Só ela nos leva para a luta. Sim, companheiros e companheiras, para estar na luta não basta somente querer, carece de vontade de lutar contra a vontade daqueles que lutam para que a gente não lute e nem tenha a vontade de lutar. Aqueles que operam o sistema e emperram a máquina. Contra aqueles que sem fazer nada fazem muito, porque para essas pessoas o verbo é “nadar”, “nadar”, não de natação, mas de não fazer nada. Isso é mais que um neologismo, é uma constatação.

Precisamos da coragem que moveu Paulo Freire. Pão sovado que quanto mais apanhava, mais era amassado, maior ficava. Paulo Freire é fermento. Pensar e agir como ele é crescer. É pensar o que é bom e dispensar o que é ruim.   Paulo Freire não foi homenageado na XVI Conferência Estadual de Educação promovida pelo Sintese. Homenageados fomos nós que por meio desse pensador inconteste podemos encontrar forças para resistir ao desmonte da Educação Pública que foi colocado em curso pelo Governo de Bolsonaro. E assim como ele, Paulo Freire, lutou, sem desistir, precisamos continuar na lida. Mais que nunca precisamos estar unidos, pois como dizia Guimarães Rosa, tudo o que não ajunta espalha e às vezes, tudo o que a vida exige da gente é coragem.

Sintese somos muitas, somos muitos, somos fortes.