Canindé: Professores e professoras seguem em luta por revisão do piso sem retirada de direitos

520

Professores e professoras da rede municipal de ensino de Canindé de São Francisco fazem vigília em frente à prefeitura nesta terça-feira, dia 12. O objetivo é fazer com que a negociação para o pagamento da revisão do piso salarial seja reaberta.

O prefeito, Weldo Mariano, enviou a Câmara de Vereadores o Projeto de Lei que concede a revisão do piso salarial, dos anos de 2020 e 2022, porém retira dos professores e professores a gratificação por regência de classe que é de 30%

“Não podemos aceitar que o prefeito tire com uma mão e dê com a outra, não podemos aceitar que para termos acesso a um direito, garantido por Lei, temos que perder um outro direito. Esse tipo de manobra é injusta, onera o magistério financeiramente e desrespeita algo conquistado por nós com muita luta. O que seguimos aqui defendendo é piso sem retirada ou incorporação de direitos”, afirma o dirigente do SINTESE na região do sertão, professor Cloverton Santos

Diante deste fato, o SINTESE solicita que a gestão municipal reabra as negociações, receba os representantes do magistério em nova audiência e garanta aos professores e professoras revisão do piso salarial sem perda de qualquer direito.

É importante destacar que o piso salarial do magistério é assegurado pela Lei 11.738, desde 2008. A Lei coloca que professores e professoras da rede pública de todo o Brasil devem ter o piso anualmente revisado, sempre em janeiro, respeitando a carreira.